Matueté Blog

(a) Ásia

7 de setembro de 2019 0

:: (a) Ásia

Enlarge this imageTwo-year-old Robbie Klein has hemophilia, a healthcare ailment that interferes with his blood’s capacity to clot normally. Without insurance policy, the daily medicines he has to stay healthier could cost a huge selection of 1000′s of bucks or maybe more each and every yr.Je se Costa/WBURhide captiontoggle captionJe se Costa/WBURTwo-year-old Robbie Klein has hemophilia, a health care ailment that interferes together with his blood’s skill to clot generally. With out insurance plan, the day-to-day drugs he ought to continue to be nutritious could cost many countle s numbers of dollars or maybe more each individual calendar year.Je se Costa/WBURThe U.S Senate’s decide to swap Obamacare would cut funding for Medicaid and also other wellbeing insurance subsidies by a lot more than $1 billion a yr within just 5 years. Which includes quite a few lawmakers, physicians, hospitals and individuals throughout Ma sachusetts inside a condition of alarm. “Where with this bill would be the protection for kids,” asks Dr. Jonathan Davis, the main of new child medicine at Tufts Health care Heart, as he stands in the hospital’s NICU among the infants who weigh as minimal as 1 pound. Approximately sixty p.c of infants while in the Tufts NICU are coated by Medicaid. Davis pauses before an incubator that retains a very small female, just a number of times aged, who weighs 2.5 pounds. Her tiny lungs pump several moments a next. “The truth is, she’s in place air, so she’s breathing completely on her own that is great,” Davis states.Pictures – Wellne s NewsFrom Birth To Death, Medicaid Impacts The Lives Of Hundreds of thousands Medical profe sionals and nurses will perform round-the-clock to offer this baby and her roommates the very best start off. But it truly is unclear whether or not Tufts could offer this treatment for free in the event the baby or her mom didn’t qualify for Medicaid. Davis states additionally they require very good insurance following they depart the clinic. “Because if individuals children really don’t go house to acquire excellent most important treatment, follow-up, early intervention and help, all people gains that https://www.rocketsedge.com/Russell-Westbrook-Jersey could likely are already built are going to be shed,” Davis states. That menace looks real below the Senate health treatment bill, says Audrey Shelto, president in the Blue Cro s Blue Shield Basis. “It is more devastating when compared to the Home bill for low-income and vulnerable populations,” Shelto says.That’s for the reason that as of 2025, the Senate would tie expending for each person on Medicaid to your normal inflation charge, as an alternative to the speed of medical inflation, which can be typically increased. In Ma sachusetts, a lot of lawmakers Democrats and Republicans are annoyed, if not indignant. Point out Rep. Jeff Snchez, Residence chair of the Joint Committee on Well being Care Funding, reviewed the details on his solution to a wellne s care meeting. “They discu sed repeal and substitute,” he suggests. “This is a lot more like lookup and demolish because much le s people today are likely to get protection which they have to have, and folks will pay extra outside of pocket.” Snchez says Ma sachusetts incorporates a longstanding follow of creating little ones a precedence and has improved Ma sHealth to make guaranteed young children in low-income families obtain the care they want. “Nobody’s distinct on what is the longer term of that plan,” he says. “Everything is up while in the air.” Snchez’s co-chair, point out Sen. James Welch, has identified as the U.S. Senate bill “cla s warfare” since it might choose revenue from lousy kids as well as their moms and provides it to wealthy older people from the sort of tax cuts. But Welch states the state is not going to have any very good options if Ma sachusetts needs to make up $1.four billion in federal wellne s treatment cuts from the long term. “Do you increase taxes somewhere? Would you slice again on eligibilities? Does one cut back on added benefits? Difficult decisions are going to ought https://www.rocketsedge.com/Charles-Barkley-Jersey to be created,” Welch suggests. “But health coverage that young children are at present receiving we will combat tooth and nail to ensure that continues.” Eileen McAnneny, president with the Ma sachusetts Taxpayers Basis, claims the condition need to slash health and fitne s treatment shelling out ahead of any chat of elevating taxes or transferring people today off Medicaid. But McAnneny states Ma sHealth, the state’s Medicaid program, is growing more rapidly than the condition can control. About sixty cents of each new tax dollar goes to Ma sHealth. “So we’ve to cut back the expense of the Ma sHealth application, or even the condition will produce Ma sHealth products and services and couple other individuals for the reason that it will consume a good deal of our methods,” McAnneny suggests. For youths, there is certainly one particular brilliant location while in the Senate wellne s strategy that’s not inside the Dwelling Obamacare substitution invoice: About 20 per cent of youngsters who qualify for Medicaid because they can be severely disabled could be exempt in the cuts. Kayla Klein, of West Roxbury, is looking at what Congre s is performing intently. She tugs for the appliqud pet within the front of her 2-year-old son Robbie’s T-shirt. “Right Robs? Where’s your port?” she asks, playfully,Shots – Well being NewsBaby Boomers With Hemophilia Failed to Count on To Get older Robbie’s T-shirt hides a central line port via which he gets medicine each day that he needs to stay nutritious; he has the blood-clotting ailment hemophilia. Robbie can make his mother and pop, Joel Klein, chortle lots. But they’re also pretty apprehensive. Hemophilia remedies can be terribly pricey, as well as the Kleins are equally university lecturers, with out significant salaries. Robbie has non-public insurance coverage via his parents to cover most of the expense, and Medicaid can be a backup plan, for now. The Kleins wish to be certain customers of Congre s fully grasp the choices they’re producing are truly significant. “Our futures and our livelihood are hanging within the balance,” Joel Klein says. “It would make you’re feeling really fragile. It can make you feel like you are not empowered when your child’s lifetime is at stake,” Kayla Klein provides. Senate leaders say they hope to vote on their own wellne s treatment invoice right before their https://www.rocketsedge.com/James-Harden-Jersey August rece s. It really is not obvious if the bill has the votes to go. This story is part of NPR’s reporting partnership with WBUR and Kaiser Health News.

Posted by
22 de setembro de 2016 1

:: (a) Ásia | Israel | Oriente Médio | Urbano

Israel

Israel não estava no topo da minha lista. Um motivo bem pagão me levou para lá: a comida.

Foi comprar o livro “Jerusalem”, do chefe Yotam Ottolenghi, e pronto: não via a hora de desbravar o mercado de Mahane Yehuda, comer um pita fresquinho nas padarias de Jaffa, experimentar todas as variações de falafel e homus, beber suco de romã espremido na hora.

E lá fui eu, em pleno Carnaval conhecer a Terra Santa.

Comecei por Tel Aviv, onde me hospedei no charmoso The Norman. O hotel fica na White City, bairro com a maior concentração de construções no estilo Bauhaus do mundo e tombado pela Unesco em 2003. O The Norman ocupa dois desses prédios e tem um clima delicioso de casa. Depois de uma boa noite de sono, parti para explorar a cidade, mas não sem antes provar o “Israeli Breakfast” que me oferecia o menu do hotel  – ovos mexidos, salada de tomates, minúsculas azeitonas verdes e coalhada seca com záatar. Ali, na primeira manhã, tive certeza de que minha expedição “semi-gastronômica” seria bem-sucedida.

Tel Aviv é bastante plana, e é muito fácil navegar pela cidade. Há sempre a referência da orla, e a prefeitura oferece sistema de bicicletas compartilhadas para quem quiser pedalar, embora do hotel The Norman dê para chegar a quase qualquer lugar a pé.

20160208_10370020160211_132009 Saí em direção ao mar, cruzando o bairro trendy de Neve Tzedek, com suas lojas tão pequenas quanto bacanas, brechós e cafés. Andei por toda a orla, vi a praia, os beach clubs que devem ferver no verão (era fevereiro) e cheguei a Jaffa, a antiga cidade murada, o porto importante da antiguidade e hoje refúgio de artistas locais e de muitos, muitos gatos.

Meu destino em Jaffa era a padaria Abulafia, estabelecimento centenário, que assa na hora burekas e pitas, e tem uma oferta incrível de doces. Os fornos em ação são um espetáculo à parte. De lá, voltei à parte “nova” da cidade, para visitar o Museu de Arte de Tel Aviv, que abriga uma grande coleção de artistas israelenses e judeus dos séculos XIX e XX, além de exposições temporárias, sobretudo de fotografia – estas nos corredores e salões futuristas da nova ala, a Amir Building, com paredes de concreto em ângulos pouco usuais. Pedalei pela White City no finalzinho da tarde, e tomei drinks no animado bar do hotel antes do meu primeiro jantar em Israel. Não me decepcionei com o Mizlala, restaurante de forte apelo mediterrâneo e excelente carta de vinhos das colinas de Golan.

Daria para ter passado muito mais tempo em Tel Aviv, mas eu tinha que continuar viagem. Como o país é pequeno, num único dia (longo e num ritmo acelerado, devo confessar) foi possível percorrer todo o norte de Israel. Em Nazaré, visitei o famoso Santuário e comi os melhores doces de massa phyllo e pistache que já provei. Em Copernaum, tomei o primeiro copo (de muitos) de suco de Romã.  Entre Tabgha, lugar do milagre bíblico da multiplicação dos peixes, e Tiberíades, às margens do Mar da Galileia, numa banca de beira de estrada, provei um falafel frito na hora, temperado com um picante molho de manga trazido a Israel por judeus iraquianos – viciante.

20160210_134436

Comendo e bebendo entre cenários de passagens bíblicas, desci o vale do Rio Jordão (cruzei toda a margem ocidental, a famigerada “West Bank”), vi o deserto virar verde e depois deserto de novo, coloquei a pontinha do dedo no Mar Morto e finalmente cheguei a Jerusalém.

 O dourado do Domo da Rocha brilhava sobre a cidade branca. Foi uma visão inesquecível.

Em Jerusalém dividi minha estadia entre dois hotéis. O primeiro foi o agradável American Colony.    Do lado árabe da cidade, foi originalmente uma “colônia” de evangélicos americanos que imigraram para a Terra Santa no século XIX, e até hoje conserva o clima “Old World” e uma atmosfera misteriosa – o hall e o bar adorável, com alguns tipos indecifráveis, parecem cenário

Dividi meus dias também entre almoços autênticos e jantares incríveis.s de um romance de Carré ou Graham Greene. O outro foi o moderno Mamilla, colado nas muralhas da cidade antiga. Cada um tem seu charme e suas vantagens: o American Colony é o hotel dos expats, dos correspondentes de imprensa internacionais, do bar intimista, dos quartos grandes e old fashioned. O Mamilla é o hot spot da cidade: com sua bela arquitetura que mescla referências locais – como as pedras da fachada – à linguagem contemporânea, fica adjacente a um mini shopping simpático e muito perto do principal portão de Jerusalém, o Jaffa Gate.

Fiz uma caminhada sobre as muralhas, programa quase desprezado pela maioria dos turistas, mas que dá um panorama único de Jerusalém. Desci no Arab Quarter e corri para a casa de homus Abu Shukri. Sem pratos, com talheres de plásticos e guardanapos de papel, comi o melhor falafel e o melhor homus da viagem. Ao lado do Mercado de Mehane Yuda, programa obrigatório, conheci o simplíssimo Rachmo, que serve charutinhos de folha de uva que derretem na boca e sopa de beterraba com bolinhos de carne, outra especialidade dos judeus iraquianos.

Andei pelos jardins do Domo da Rocha, subi o Monte das Oliveiras, fui a Belém. Vi as preces no Muro das Lamentações. Testemunhei as emocionantes celebrações de Bat e Bar Mitzvah no Muro das Lamentações. Percorri a via Dolorosa com um grupo de monges franciscanos que narravam a paixão de Cristo a cada uma das estações. Subi escada, desci escada, me perdi em labirintos.

Cruzam-se bairros e religiões em poucos passos. Assim como se transita entre mediterrâneo e oriente em poucos pratos.

20160211_133121O melhor do Mediterrâneo provei no Chakra, de frente para uma bela praça num bairro novo da cidade. No intimista Mona, bistrô num casarão lindo, vi pratos com uma linha mais europeia, mas com nítida influência do oriente – uma coalhada aqui, um zaatar lá.  Tudo muito delicado. O Lehem Basar (Meat & Eat) é curioso, uma steak house kosher que abre no Shabat, lota de jovens religiosos e ocupa um galpão no complexo First Station, onde funcionava a antiga estação do trem que ligava Jerusalém a Jaffa.

O ponto alto foi o Machneyuda: pratos tradicionais revisitados como o Shikshukit, carne moída de cordeiro com tahini e iogurte ou as lulas com creme de berinjela defumada e harissa, salada fatush como nunca antes vista, tudo numa atmosfera vibrante, cozinha cheia de energia, chefs que brindam com os comensais a cada prato.

Há algo de fresco, de novo, de muito interessante na culinária israelense. “Farm to table” aqui é condição, não atrativo. É como se já tivessem superado todos os modismos, coletado o mais gostoso e o essencial desse privilegiado mix de influências de quem está de frente para o Mediterrâneo e de costas para o Oriente Médio, e produzido algo único.

E, claro, a comida é só um pequeno-essencial motivo para conhecer Israel

20160209_120622

 

 

 

Posted by
6 de junho de 2016 0

:: (a) África | (a) Américas | (a) Ásia | (a) Europa | Acontece por aí | Brazil - Central-west Region | By Matueté | Celebrações | Matueté em Campo | Matueté on the road | Nature | Natureza | Produções Matueté | Sem categoria

Maio foi um mês muito especial na Matueté. Viagens inacreditáveis, novidades saindo do forno, a vida foi animada aqui na rua Tapinás.

Dá uma olhada no que aconteceu, é muito bom dividir com você.

marrocos menor

O mês de maio deu start a uma temporada – até setembro – importante para você que busca se aventurar pelo Marrocos: um roteiro de verão da Maisons de Rèves, conjunto de casas dos sonhos, que podemos até chamar de Oásis.

DSC_3945

 O projeto mais famoso deles é um Kasbah no deserto de Ouarzazate, o Dar Ahlam, mas que fica impraticável no verão marroquino.

Pensando nisso, foi criado um percurso por duas belas casas tradicionais no sul do país, com programas de praia, passeios de bicicleta, contemplação dos campos de argan e da paisagem tranquila.

 DSC_4973

DSC_4641        DSC_4251

 ___________________________________________________________________________

unnamed

A Matueté cada vez mais digital

Esse mês começam os testes de uma nova ferramenta para facilitar a sua viagem. Em parceria com o aplicativo Axus*, você poderá consultar itinerários, reservas, dicas, de qualquer lugar. A primeira viagem com a utilização do Axus acontecerá em breve e voltamos com mais novidades.

___________________________________________________________________________

rev biro tokyo

 

Gabi Figueiredo na Revista do Birô

Para a primeira coluna da nossa Diretora de Viagens, Gabi Figueiredo, o destino escolhido não podia ser mais perfeito: Tokyo. A beleza evidente no caos da cidade é característica marcante e deixa os viajantes com vontade de não voltar.

Leia a coluna na íntegra na Revista do Birô. É só clicar na foto!

 

___________________________________________________________________________

piracaia novo

Maio foi um mês muito especial na área de Villas da Matueté. Destinos para todos os tipos de viagens foram incluídos no nosso portfólio, da represa de Piracaia à Itaipava na serra carioca, casas encantadoras e com diversas atividades se tornam a nossa aposta para as suas férias de inverno desse ano.

kigo

Junto com o lançamento das Casas de Campo, estreamos uma plataforma no lugar do site tradicional da Matueté Villas. O novo site traz informações completas sobre cada destino, facilitando assim a sua busca para o destino perfeito e momentos inesquecíveis em família ou com um grupo de amigos.

___________________________________________________________________________

pantanal

 

Já pensou em passar alguns dias em uma verdadeira fazenda pantaneira, mas com conforto e boa comida?

Durante a temporada de maio a setembro, o Pantanal está em sua melhor época para ser visitado. É quando a água, que antes alagava os campos e pastos, volta para o Rio Negro, as grandes lagoas secam e inicia-se o ciclo da seca. Com isso, toda a enorme variedade de animais do Pantanal se aglomera em torno da água que sobrou. O Vazante do Castelo é um dos maiores – se não o maior – espetáculos de vida selvagem em terras brasileiras.

pantanal

O dia a dia de uma viagem ao Pantanal é dinâmico: safaris, focagem noturna de animais, trilhas na mata, caiaques e, dependendo do lugar, cavalgadas e pescarias. Ao chegar de volta ao lodge, uma boa comida, quartos confortáveis, piscina e uma vista de tirar o fôlego. Não é à toa que o lugar se torna cada vez mais disputado por viajantes de alma aventureira e amantes da natureza de todos cantos do mundo.

Contudo, o Pantanal tem seus segredos, e escolher o lodge certo para cada perfil de viagem é fundamental. As novas acomodações da Caiman – Casa RK e Sede – são a pedida da temporada.

Junto ao Pantanal, é inevitável mencionarmos Bonito, um dos lugares mais lindos do mundo, por que não fazer os dois num roteiro de 8 dias e 7 noites?

308206648_6944052d59[1]  16128188  Departures139

___________________________________________________________________________

bossa

Iniciamos o mês com um foco em Bossa, o que não poderia ser melhor. A preparação de duas lindas celebrações entre amigos na Toscana está a todo vapor, e os detalhes preciosos variam desde a seleção do trio de cordas que acolherá um dos aniversariantes na chegada, à produção do próprio vinho com rótulo da família. Paisagens escolhidas a dedo por onde o grupo passará com suas vespas e logística de todos. Tudo está sendo preparado nos mínimos detalhes para que cada viagem seja produzida com excelência, personalidade e encantamento únicos.

___________________________________________________________________________

Natureza

Uma equipe e a natureza

No corporativo, focamos nossas energias em uma viagem dinâmica de integração, com uma corrida de aventura no meio da mata para os funcionários de uma empresa e suas famílias. Contando com acomodações em um lodge 100% sustentável, a viagem termina com uma festa junina, com direito a quadrilha, fogueira e marshmallows ao cair da tarde.

 

___________________________________________________________________________

highlight

Em maio estruturamos uma das mais incríveis expedições de aventura da Matueté. Uma viagem customizada para estrangeiros pelo Pantanal, Xingu e Rio de Janeiro. Os viajantes acamparam no meio da mata e contaram com paradas estratégicas em instituições como a S.O.S Pantanal, o Projeto Onçafari e a Escola Jatobazinho. Foram feitas doações para cada causa e, nossa equipe, que contou com uma grande campeã de corrida de aventuras, estava sempre um passo à frente para garantir que tudo saísse com perfeição. Foi mais um case de sucesso da Matueté Bossa!

___________________________________________________________________________

Matueté Insider

Destino certo para quem vai para Los Angeles, a cidade costeira de Santa Monica deixa saudade ao lembrarmos do famoso píer com a roda gigante movida a luz solar. Mas o que muitos não sabem é que além de linda, Santa Monica tem o lado artístico rico, e com uma vida social agitada.

Situada num prédio com ares industriais e rústicos, a Bergamot Station é exemplo perfeito do estilo de vida californiano. Um complexo de galerias de arte que recebe até 600.000 pessoas por ano, e que um dia foi uma estação de bonde, ligando o centro de Los Angeles ao Píer de Santa Monica. Foi concebida pelo governo em conjunto com Wayne Black, e hoje em dia é destino certo para os amantes da arte.

___________________________________________________________________________

Bem vindo e Boa Viagem

 

 

Posted by
28 de janeiro de 2016 1

:: (a) Ásia | (a) Oceania | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Natureza | Produções Matueté

Em 2015 fui para o Sudeste Asiático e tive a oportunidade de presenciar a comemoração do ano novo Tailandês, chamado Song Kha.

LU4

Lembra as festas de réveillon ocidentais em que se tem a ideia de deixar para trás o que não deu certo e começar uma fase nova. A água é considerada pelo dai como símbolo de pureza religiosa e o ato de jogá-la água durante a comemoração é uma forma de desejar prosperidade e sorte.

LU9

Na Tailândia, conheci a caótica (mas incrível) cidade de Bangkok, a rustica ilha de Koh Phi Phi e terminei no maravilhoso hotel Four Seasons em Chiang Mai.

LU8

Depois segui para Luang Phabang no Laos, um lugar simples mas com uma energia fantástica. Terminei em Siem Reap, no Camboja, e adorei conhecer os templos do século IX.

LU3

A segunda viagem foi para a Austrália, onde tive a oportunidade de conhecer alguns dos Luxury Lodges of Australia. Primeira parada foi no Capella Lodge, considerado um patrimônio natural da humanidade. A ilha é super pequena, com apenas 11km de extensão e é uma ótima opção para quem ama natureza.

LU1

Segunda parada foi na região das grandes barreiras de corais, na ilha de Hamilton Island. Não deixem de dar um mergulho e fazer um sobrevoo pelas grandes barreiras.

LU7

Terceira parada foi na Tasmânia, no hotel Saffire, onde vale visitar as fazendas de ostras. Por fim, tive a oportunidade de visitar Melbourne e conhecer vários fornecedores bacanas na feira ATE – Australian Tourism Exchange.

LU6

Em 2016 pretendo visitar a Nova Zelândia e conhecer melhor a Argentina.

Para saber mais sobre esse destino e muitos outros, entre em contato com a gente!

Posted by
0

:: (a) Américas | (a) Ásia | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Produções Matueté

Em 2015 estive em Nova York, que é sempre pulsante e cheia de experiências únicas.

Aproveitei para conhecer alguns dos melhores food trucks da cidade acompanhado de um crítico gastronômico do The New York Times, caminhar pelas galerias de arte no Soho e fazer uma visita privativa no Moma, ambos acompanhados de um art expert.

moma-museu-arte-moderna

Também visitei o Chile, um destino excelente para brasileiros graças a sua riquíssima diversidade.

                    2               1

Recomendo a região de Pucon, que fica a 1 hora de voo de Santiago e ainda é pouco explorada.

Vale a pena se hospedar na Hacienda Vira Vira, sofisticada e low profile, com vista privilegiada para o vulcão Villarrica e várias atividades outdoor.

                   4                6

Vale conhecer também a região vinícola de Millahue com paisagens lindas que mudam de cor dependendo da época do ano. A dica por lá é ficar no contemporâneo Hotel Vina Vik, que tem vinícola própria e serviço impecável, além dos deliciosos passeios a cavalo pelos parreirais da propriedade.

                   7                 9

Em 2016 o foco é no oriente: Japão, aí vou eu!

Para saber mais sobre esse destino e muitos outros, entre em contato com a gente!

Posted by
0

:: (a) Américas | (a) Ásia | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Produções Matueté

Em 2015 estive na China para conhecer as maravilhas de Pequim, a Muralha e os Guerreiros de Terracota.

DSC_0138

Recomendo descer a muralha de tobogã (experiência animadíssima!) e os hotéis Península Shangai, com suas vistas de tirar o fôlego e o Opossite House, em Pequim, que tem dois restaurantes deliciosos.

                  DSC_0106            DSC_0196

Visitei a Cidade do Cabo para explorar a gastronomia local e adorei o restaurante Greenhouse, perfeito para quem curte um bom vinho sul africano.

IMG_5565

Estive também em Nova York (cidade que eu amo e volto ano após ano) e sugiro o Spoted Pig, um gastropub divertido e informal no West Village com uma merecidíssima estrela no guia Michellin.

New-York_Skyline2_Jen-Davis

Outro programa obrigatório por lá é passar uma noite no Smoke Jazz and Supper Club, mas é bom saber que reservas são obrigatórias e quase impossíveis.

Para 2016 meus destinos incluem Índia e o deserto do Atacama.

Para saber mais sobre esse destino e muitos outros, entre em contato com a gente!

Posted by
0

:: (a) Américas | (a) Ásia | (a) Europa | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Produções Matueté

Comecei 2015 com o pé direito, na badalada Tulum, no México. Lembra Trancoso há alguns anos atrás, com seus restaurantes gostosos, lojinhas charmosas e clima boho chic!

IMG_8511

Em abril fui para o Japão ver as cerejeiras e brindei meu aniversário no Izakaia - um tipo de bar- de Tokyo. Nessa mesma viagem fiquei em 3 Ryokans de estilos diferentes e aluguei um apartamento às margens de um canal de Gion em Kyoto.

IMG_7979

Comi absolutamente tudo: tempurá 2 estrelas Michelin, sushi de Wagyu nas ruas de Takayama, frutas perfeitas no mercado de Kanazawa. Descobri um país fascinante e quero voltar para lá logo.

            2                IMG-20150807-WA003

Ainda no primeiro semestre, vi o comecinho do verão europeu na Costa Brava espanhola, fazendo uma viagem de carro de Barcelona a Cadaqués. A região é linda, com cidadezinhas medievais, museus-casa de Salvador Dali e é uma escapada perfeita para um feriado um pouco mais longo.

Um pouco depois conheci uma ilha da fantasia nas Seychelles, um paraíso tropical “comme il fault”, com coqueiros, mar azul turquesa, areia branca, vegetação luxuriante, tudo que se tem direito.

Fui ainda para Chicago e me encantei com a arquitetura da cidade e dos subúrbios, onde fiz um passeio de bike im perdível pelas casas de Frank Lloyd Wright. Em novembro revisitei Marrakech e fui até os Atlas, destino perfeito para quem gosta de caminhadas nas montanhas.

IMG_20150806_151033

O ano terminou branco: passei o réveillon na Rússia, foi lindo ver São Petersburgo coberta de neve e os fogos de ano novo sobre o rio Neva!

Já planejei um pouco de 2016: vou para Israel no Carnaval e quero relaxar  em alguma ilha pacata da Grécia no segundo semestre.

Para saber mais sobre esse destino e muitos outros, entre em contato com a gente!

Posted by
6 de julho de 2012 0

:: (a) Ásia | Insider | Urbano

Potência mundial, a China surpreende os viajantes com seu desenvolvimento tecnológico acelerado e a preservação de suas tradições culturais, além, claro, de espantar pelo número de habitantes – atualmente são mais de 1,3 bilhão de pessoas no país! Para quem quer conhecer essa terra de contrastes e proporções gigantescas, vale seguir as dicas da Magê, integrante da equipe Matueté, para se hospedar com conforto e sofisticação.

MANDARIN DE HONG KONG

Lindo, chique e bacana, o hotel localizado em Hong Kong Island é indicado para famílias e casais e conta com super Spa e ótimo serviço. Além disso, está localizado próximo a lojas mais bacanas. O Hotel conta com vários restaurantes excelentes incluindo o Pierre – cotado com duas estrelas no Guia Michelin.

Dica: Para aproveitar melhor a vista opte por quartos em andares mais altos e com harbour view.

PENINSULA HONG KONG

Considerado “it Hotel” de Hong Kong, o hotel localizado em Kowloon é super tradicional, e todo decorado ao estilo britânico. Com serviço atencioso, boa localização e vistas privilegiadas, é ideal para famílias e viajantes mais tradicionais. Atualmente, o prédio passa por uma reforma para deixar os quartos ainda mais high techs.

Dica: É preciso ter paciência para jantar ou tomar o chá da tarde. O hotel é disputadíssimo, assim como seus serviços e áreas sociais.

RITZ CARLTON HONG KONG

Moderno e chique, o hotel fica a cinco minutos de taxi das principais avenidas e lojas de Kowloon. Com serviço impecável, o prédio conta com piscina indoor e quartos super espaçosos.

Dica: O hotel abriga o bar mais alto do mundo, o animado Ozone, que guarda uma das melhores vistas da cidade. Vale a visita.

PENINSULA SHANGHAI

Na minha opinião, é a melhor opção de hospedagem em Shanghai. Com a recente reforma, os quartos ficaram ainda melhores e mais espaçosos. Indicado para famílias e casais, tanto mais jovens quanto mais velhos. O bom gosto aliado a modernidade agrada a todos os estilos de viajantes.

Posted by
5 de julho de 2012 0

:: (a) África | (a) Ásia | Natureza

Em família, com os amigos ou sozinho, viagens de aventura são sempre marcantes. Experiências como escalar o Monte Kilimanjaro – o maior da África – ou o Everest, no Nepal, são para quem realmente quer adrenalina, roteiros pouco convencionais e visuais inesquecíveis – e que poucas pessoas tem a oportunidade de vivenciar.

No Monte Kilimanjaro (que significa montanha branca na língua da tribo Masai), na Tanzânia, o esforço do aventureiro é só mesmo colocar as pernas para funcionar. Carregadores levam as bagagens e os equipamentos e os anfitriões da aventura se encarregam de montar os acampamentos e providenciar as refeições durante os mais seis dias de escalada pelo top mais alto do continente africano e onde, acreditem, a neve predomina quase o ano todo.

Depois de quase uma semana de subida, o aventureiro pode ser recompensado com dias de tranquilidade e conforto no Arusha Coffee Lodge, na cidade de Arusha. Para quem ainda tiver pique para passeios e caminhadas, vale passear também pela pequena cidade de Moshi – a meia hora de Arusha -, onde está localizado o Kilimanjaro, e que guarda uma das mais lindas visitas das montanhas.

Já a subida de 5.300 metros até o Acampamento Base do Everest, no Nepal, é indicado para escaladores mais experientes. Exige não só condicionamento físico para as quase duas semanas de viagem, como também preparo para enfrentar temperaturas adversas e mudanças bruscas de altitude ao longo do dia. A subida de 11 dias revela paisagem deslumbrantes do Himalaia, que compensam até o frio e o cansaço. Na hora do descanso, tendas esperam os aventureiros exaustos, depois de quase nove horas de subida. No última dia de viagem, um jantar de despedidas em Kathmandu celebra o sucesso da expedição.

Posted by
2 de julho de 2012 0

:: (a) Ásia | Acontece por aí

Imagine um simples jantar aguçar todos os seus sentidos. Essa é a ideia do Ultraviolet, em Xangai, criado pelo chef Paul Pairet – dono dos restaurantes Jade on 36 e Mr. Ms. Bund, também na cidade chinesa.

A aventura começa na descoberta do endereço. Para chegar ao lugar é preciso ir ao Mr. Ms. Bund e pedir um aperitivo. De lá, os clientes são levados ao projeto experimental de Pairet.

Em um salão escuro com mesa para dez pessoas, dispositivos como luzes de LED, difusor de cheiros e projeção de som e imagem aguçam a visão, o olfato e a audição. Além disso, um sistema de controle de pressão faz com que o ambiente mantenha a temperatura certa para cada prato oferecido.

Durante o jantar no Ultraviolet, que tem início pontualmente às 19h, são servidos cerca de vinte pratos da alta gastronomia elaborados por Pairet. E não é possível escolher o que será servido, já que cada passo do menu é combinado com visual sabores e temperaturas diferentes.

A experiência gastronômica, idealizada pelo chef francês, custa em média 350 dólares, e vale pelo espetáculo. A ideia de mudar o ambiente de acordo com a receita, com novos sons, imagens e cheiros, faz do Ultraviolet uma experiência única. Claro que para conseguir lugar nesse espetáculo de sentidos é preciso fazer reserva com bastante antecedência.

[vimeo]http://vimeo.com/15800592[/vimeo]

Posted by