Matueté Blog

Sem categoria

15 de junho de 2020 0

:: Sem categoria

 

Imaginamos que, assim como nós, você não veja a hora de voltar a viajar. Enquanto assistimos as reaberturas mundo afora, nos perguntamos: quando e como voltaremos a embarcar em jornadas transformadoras? Por aqui, acreditamos que a retomada nos fará (re)descobrir os encantos do nosso país. E a boa notícia é que alguns dos nossos refúgios favoritos prometem reabrir suas portas em breve em um novo formato, priorizando integralmente a segurança dos viajantes. No mar ou na montanha – e até no cerrado –, selecionamos experiências imperdíveis para quem  busca exclusividade e segurança.


Navegando do seu jeito pela Amazônia

O que pode ser mais especial do que desvendar essa floresta encantadora em seu próprio barco e longe de qualquer aglomeração, tendo como companhia apenas o seu grupo? Seja no rio Negro, com suas centenas de ilhas, igarapés e igapós, ou nas praias paradisíacas que se espalham pelo rio Tapajós: navegar ainda tem a vantagem de oferecer um roteiro totalmente customizado. Entre as experiências imperdíveis, ande de voadeira entre ilhotas perdidas, caminhe mata adentro ao lado de especialista e tome banhos sem hora para acabar. Tudo isso, claro, longe de qualquer preocupação – esqueça as malas, por exemplo! – e com pequenas surpresas que tornam a viagem ainda mais especial. Que tal jantar sob um céu estrelado em uma prainha isolada de tudo e de todos?

Verde a perder de vista nas montanhas de Minas Gerais

Com diversas casas, a Comuna de Ibitipoca pode ser parcialmente privatizada para uma temporada em ritmo de sossego total e cercada pelas delícias da vida na montanha. Afinal, como não se sentir seguro diante desse oásis de cinco mil hectares em plena reserva do Ibitipoca? Com fácil acesso de carro ou aviãozinho, o destino vai oferecer uma programação customizada que pode incluir caminhadas pela mata, trilhas de bicicleta, sessões de ioga com verde a perder de vista, piqueniques em cachoeiras escondidas e jantares sob o céu estrelado com o melhor da comida mineira.

Velejando pelas águas cristalinas de Paraty

Nada como desbravar as águas paradisíacas que banham Paraty e Angra dos Reis em total privacidade e com a segurança que só ter seu próprio barco oferece: nossa seleção inclui iates, veleiros embarcações regionais totalmente restauradas. Outra experiência especial na região é alugar um refúgio em uma prainha secreta no Saco do Mamanguá, conhecido como o fiorde brasileiro e um dos lugares mais mágicos de todo o nosso litoral. Tudo isso, claro, com serviço impecável e um barco à disposição.

Um cantinho para chamar de seu na imensidão do Pantanal

Se viver uma imersão na vida selvagem da região já é uma experiência única, imagine ter como base uma fazenda privatizada para suas pessoas favoritas. Dia após dia, guias experientes te levam para conhecer os segredos mais bem guardados do Pantanal – a pé ou em jipes. A lista de passeios inclui safáris atrás de onças pintadas, focagem noturna, observação de aves, caminhadas ecológicas, churrascos no meio do verde e outros momentos que oferecem o melhor da vida pantaneira.

Uma fazenda cheia de bossa no cerrado brasileiro

 

Pousada Trijunção, um refúgio absolutamente único no nada óbvio cerrado brasileiro, vai funcionar com grupos fechados. Isso significa que você pode juntar poucos amigos ou a família – são sete suítes deliciosas – para aproveitar essa charmosa fazenda na divisa entre os estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás, cercada por plantas e animais raros. As experiências são pensadas para contemplar a flora e a fauna da região – que tal embarcar em trilhas a bordo de uma fatbike, aproveitar um piquenique em cenários dos sonhos e acompanhado de um violeiro ou se aventurar em um safári noturno?


Deu vontade de passar uma temporada em um refúgio especial no Brasil? Quando você estiver pronto para colocar em prática sua – tão aguardada – próxima jornada, estaremos aqui para criar uma experiência sob medida com todo conforto e segurança. Fale com seu consultor Matueté.

Posted by
0

:: Sem categoria

Aproveitar as tardes de verão na varanda e as manhãs de inverno em frente a lareira. Testar uma nova receita, tomar um chá sem pressa. Ler um livro ao som do silêncio, tirar uma soneca na rede embalada pelo barulho da chuva, ver o céu mudar de cor inesperadamente e outras maravilhas da natureza que tanto acalentam nossa alma.

A busca por sensações que trazem conforto e bem-estar, apelidada pelos dinamarqueses de hygge, nunca fez tanto sentido. Não à toa, o país foi considerado o mais feliz do mundo segundo um relatório da ONU.

E é exatamente esse estilo de vida que vem à nossa mente quando pensamos em viagens inspiradoras para o futuro. Seguimos em casa, mas sonhando com uma temporada ao lado de quem realmente importa em algum refúgio especial e isolado na natureza. Aproveitando a mágica que acontece quando estamos, de verdade, presentes nas cenas mais simples do dia a dia.


Uma casinha mergulhada nos Himalaias, um lodge em plena selva africana, um glamping cheio de charme sob o céu estrelado do deserto de Utah: selecionamos dez refúgios que têm alimentado nossa mente de viajante para que você siga desbravando o mundo por aí sem sair de casa.


1Era uma vez uma fazenda na Patagônia 

Esqueça o relógio e qualquer compromisso inadiável: acompanhar o dia a dia patagônico no Pata Lodge, uma fazenda orgânica totalmente isolada na parte menos explorada da Patagônia, é se dar a chance de ver o tempo passar mais devagar, seguindo o mais perfeito ritmo da natureza. E, de quebra, dormir em uma cabana cheia de charme que mais parece saída de um filme.

2Um chalé especial nas montanhas italianas 

Se existe uma imagem que melhor define o conceito de refúgio na montanha é a do San Lorenzo Mountain Lodge. Pense em um chalé do século XVII, todo restaurado, no meio das Dolomitas, Patrimônio Mundial da Humanidade. O clima é de casa e o olhar atento do casal de proprietários garante refeições inesquecíveis e sessões de vinho na lareira de deixar saudades, além de um visual espetacular!

3. Um refúgio no coração dos Lençóis Maranhenses 

Uma casinha regional completamente restaurada, cheia de charme e bossa, a passos do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Perto o suficiente de Santo Amaro para viver um pouco do espírito do vilarejo, mas sem abrir mão da privacidade e do sossego.

4O som do silêncio no Marrocos 

Difícil acreditar que são apenas 35 minutos entre o burburinho de Marrakesh e esse oásis aos pés da Cordilheira do Atlas batizado de Kasbah Bab Ourika. Para lembrar como é ver o sol se pôr dia após dia, colher frutas em um jardim perfumado, ouvir o som do silêncio e contar estrelas até dizer chega.

5Detox digital no Egito 

Em total sintonia com a natureza, o eco-lodge Adrere Amellal, esculpido nas pedras do Oásis de Siwa, no Egito, é um convite para desconectar. Afinal, quem precisa de eletricidade quando se tem o céu estrelado do deserto – e centenas de velas feitas de cera de abelha – guiando o seu caminho?

6. No balanço do mar no Panamá

De onde quer que se olhe, o mar cristalino que banha o Panamá emoldura o cenário do Sweet Bocas, uma villa flutuante perfeita para mergulhar por completo nos pequenos prazeres de verão. Não à toa, o paraíso é um dos favoritos dos surfistas, que sempre descobrem os refúgios mais intocados do planeta antes de todo mundo.

7. Longe de tudo no Canadá 

Em uma remota ilha na costa leste do Canadá, o Fogo Inn é o melhor lugar para se sentir absolutamente isolado do mundo, mas conectado com a vida local – 100% da operação é investido na comunidade. Com o barulho do mar como trilha sonora, os dias seguem entre passeios de bicicleta, visita aos ateliês de artistas locais, sessões de cinema, sauna e ofurô.

8. Glamping com bossa sob o céu de Utah 

Uma tenda – com piscina aquecida, terraço e fogueira – para chamar de sua, literalmente no meio do nada, entre cânions e formações rochosas do impressionante deserto de Utah. É esse o cenário do Camp Sarika, que faz parte do Amangiri, hotel já consagrado do grupo Aman. Dias de céu azul anil entre sessões de ioga, caminhadas, passeios de canoa e noites mágicas na companhia de estrelas a perder de vista.

9. O som da selva em Botswana 

A quilômetros da civilização e debruçadas na vida selvagem, estão as únicas quatro cabanas – além de uma casinha com dois quartos – do Zarafa Camp, localizado em uma reserva privada em Botswana. Entre os pontos altos: acompanhar os elefantes em um passeio pela lagoa de Zibadianja, ter sua própria câmera profissional ao longo de toda a jornada e os jantares à luz de velas na selva.

10Pausa sagrada na Índia 

Impossível não esquecer do mundo lá fora diante do cenário do Shakti 360° Leti: são apenas quatro casinhas com janelões de vidro e vista para um dos picos mais altos do Himalaia, na Índia. Nos hikings por vilas centenárias, nos descansos ao lado da lareira ou nas aulas de culinária, a vontade é a mesma: agradecer, sempre.

———————————————————————————

Deu vontade de fugir para um refúgio isolado no meio da natureza? Embarque nessa viagem imaginária conosco e siga sonhando para que, em breve, a gente possa transformar esse desejo em realidade

Posted by
9 de junho de 2020 0

:: Sem categoria

Caminhadas às margens do Sena, cafés cheios de charme em ruazinhas despretensiosas, jardins escondidos entre prédios que mais parecem uma viagem no tempo e tantas outras boas surpresas. Quando fechamos os olhos para lembrar de destinos inspiradores, Paris tem lugar garantido no nosso radar. E já que ainda não podemos desembarcar na cidade francesa, que tal relembrar alguns de seus maiores encantos? Uma noite de queijos e vinhos, livros sobre a cidade e voilá: é possível trazer o perfume da Cidade Luz para dentro de casa. A seguir, selecionamos uma série de experiências que nos levam ao destino francês, quem vem com a gente flanar por Paris?

——–

BON APPÉTIT

Impossível visitar Paris sem reservar ao menos uma das refeições para a dupla queijos e vinhos, bien sûr. Repita o programa em casa, mas priorize os pequenos produtores brasileiros que estão funcionando no sistema de delivery. A @caprildobosque produz uma série de queijos de leite de cabra, enquanto a @queijariarima faz sua versão nacional do boursin francês com um toque de pimenta rosa. Outra dica é a loja @aqueijaria, com sua imensa variedade de queijos. Para pães, fique de olho nas fornadas diárias da @_zanpan e da @izabelatavares  – o de alecrim é delicioso. Para coroar, a @delacroix é especializada em vinhos franceses orgânicos e biodinâmicos e, além de entregar, está promovendo degustações online.

——–

Tela Cheia

Para viajar pela cidade, nada melhor do que assistir filmes que têm como cenário seus cantinhos mais especiais. Dá para se inspirar em seu skyline romântico em Antes do Pôr do Sol, sonhar com suas delícias gastronômicas em Ratatouille, ou mergulhar em sua vocação cultural em Piaf, Um Hino ao Amor. A maratona ainda pode incluir Camille Claudel, Cinderela em Paris, Paris, Je t’aime e muitos outros.

——–

Com açúcar, com afeto

Não há como comer uma deliciosa tarte tartin sem se lembrar de Paris. Diz a história que ela foi inventada, acidentalmente, pelas irmãs Tatin. O importante é que dá para criar a sua própria versão mesmo que você não seja um mestre cuca. Mãos na massa!
INGREDIENTES
1 kg de maçã fuji ou verde
100 gramas de açúcar
50 gramas de manteiga sem sal
Para a massa brisée (podre)

300 gramas de farinha
150 gramas de manteiga sem sal
1/2 colher de café de sal
80 gramas de açúcar
1 ovo inteiro + 1 gema
MODO DE FAZER

Em uma tigela, misture a farinha, o sal e o açúcar. Acrescente a manteiga (temperatura ambiente) amassando rapidamente com a ponta dos dedos até obter uma massa mais grosseira, com aspecto de farofa (cerca de 3 minutos). Junte o ovo e amasse até deixar a massa lisa e homogênea. Reserve a massa na geladeira por 40 minutos, enrolada em papel filme. Enquanto isso, descasque as maçãs e corte em pedaços grandes (oito partes), descartando as sementes e o miolo.

PARA O CARAMELO

Coloque a manteiga em pedaços em uma panela e acrescente o açúcar por cima. Leve ao fogo brando por 5 minutos sem mexer – o caramelo vai se formar sozinho. Atenção: o tempo varia de acordo com a intensidade da chama– cuidado para não queimar ou prorrogue o tempo se precisar de mais cor no caramelo. Despeje o caramelo no fundo da forma de uma forma de torta tamanho médio. Arrume as maçãs por cima do caramelo e cubra com a massa, que deve ser esticada com rolo de macarrão. Leve ao forno pré-aquecido (210 graus) por aproximadamente 35 minutos. Tire do forno e deixe descansar por 10 minutos antes de desenformar. Sirva morna com uma bola de sorvete de baunilha ou creme fresco. Bon appétit!

——–

Um Brinde

Considerado um dos melhores bartenders do mundo, Colin Field, do Hotel Ritz, criou um drink especial para este período, batizado de Liberdade para Todos.

INGREDIENTES

30 ml do gim Beefeater 24
44 ml de lillet blanc
2 gotas de bitter Angostura

MODO DE PREPARO
Mexa por sete segundos os ingredientes em um copo tipo mixing glass. Coloque em uma taça de coquetel e tim-tim!

——–

Para Inspirar


Obras de artistas como Monet, Cézanne e Gauguin, expostas no Musée d’Orsay, podem ser vistas virtualmente para lembrar dos inúmeros programas culturais que Paris oferece. @museeorsay

——–

Cabeceira


Vale rechear a biblioteca com obras que mostram o que há por trás daquele je ne sais quoi que só os parisienses têm, caso de How to Be Parisian Wherever You Are, de Anne Berest, Audrey Diwan e Caroline De Maigret, ou Como ser uma Parisiense, em que Ines de la Fressange ensina como se vestir e comportar. Para programar as próximas viagens, a dica são guias nada óbvios como Don’t be a Tourist in Paris, de Vanessa Grall, e Paris In Stride: An Insider’s Walking Guide, escrito por Jessie Weiner e Sarah Moroz. Já Lineia no Jardim de Monet, de Cristina Bjork e Lena Anderson, costuma ser um convite para as crianças embarcarem juntas nessa jornada pela Paris de Monet. E para os fãs de um bom romance, em A Elegância do Ouriço, a autora Muriel Barbery conta a história de uma típica zeladora ranzinza de um prédio no centro de Paris.

Um dia perfeito em Paris | Por Anita Besson

“Fecho os olhos e imagino um sábado de primavera, quando Paris está verde, os plátanos carregados de folhas e a cidade muito florida. Começo tomando café da manhã na Carette, tradicional salão de chá em estilo art deco inaugurado em 1927. Enquanto me delicio com um pain au chocolat, admiro a vista da Torre Eiffel que é especial nesse lugar. A dica é chegar cedo, quando os turistas ainda não acordaram.


Depois caminho até o Museu de Arte Moderna passando pelo “marché” (que acontece às quartas e sábados) em frente à instituição. Sua variedade de flores, frutas e verduras da estação é uma festa para todos os sentidos. E sempre entro no museu, nem que seja para olhar o incrível painel pintado por Raoul Dufy em 1937, que conta a história da eletricidade.
Sigo para St. Germain passando pela esquina das ruas Mazarine e Seine, onde, nessa época do ano, há lindas cerejeiras em flor. Adoro as simpáticas ruas desse bairro, com seus antiquários e lojas de estilistas franceses. Depois de almoçar no Le Comptoir, bistrô do badalado chef Yves Camdeborde, passeio pelo charmoso bairro do Odeon.

À tarde, vou ao Marais e Haut Marais andar por suas inúmeras lojas, galerias de arte e pequenos restaurantes. Gosto de visitar a Merci Concept Store com uma excelente curadoria que reverte parte de sua renda para projetos de educação em Madagascar; a Maison Plisson, uma épicerie que dá preferência a produtos franceses – os queijos e pães são maravilhosos. Para quem gosta de arte, as galerias Perrotin e Carpenters  representam excelentes artistas contemporâneos. E o Museu Picasso, além de ter um excelente acervo do pintor, fica em um edifício histórico que, por si só,  vale a visita. A noite termina com uma degustação de vinhos no Frenchie Bar, acompanhado de um croque madame com trufas.”
————–
Deu para sentir o gostinho de Paris? Nós seguimos desbravando o mundo com a nossa imaginação e torcendo para que, em breve, você possa transformar todas essas experiências em realidade. Conte conosco!

Posted by
0

:: Sem categoria

 

Ler um livro ao som do silêncio, ver o céu mudar de cor inesperadamente e outras maravilhas da natureza que tanto acalentam nossa alma. Seguimos em casa, mas sonhando com uma temporada ao lado de quem realmente importa em algum refúgio especial e isolado na natureza. Aproveitando a mágica que acontece quando estamos, de verdade, presentes nas cenas mais simples do dia a dia. Uma casinha mergulhada nos Himalaias, um lodge em plena selva africana, um glamping cheio de charme sob o céu estrelado do deserto de Utah: selecionamos dez refúgios que têm alimentado nossa mente de viajante para que você siga desbravando o mundo por aí com a sua imaginação.

1. Era uma vez uma fazenda na Patagônia

Esqueça o relógio e qualquer compromisso inadiável: acompanhar o dia a dia patagônico no Pata Lodge, uma fazenda orgânica totalmente isolada na parte menos explorada da Patagônia, é se dar a chance de ver o tempo passar mais devagar, seguindo o mais perfeito ritmo da natureza. E, de quebra, dormir em uma cabana cheia de charme que mais parece saída de um filme.

2. Um chalé especial nas montanhas italianas

Se existe uma imagem que melhor define o conceito de refúgio na montanha é a do San Lorenzo Mountain Lodge. Pense em um chalé do século XVII, todo restaurado, no meio das Dolomitas, Patrimônio Mundial da Humanidade. O clima é de casa e o olhar atento do casal de proprietários garante refeições inesquecíveis e sessões de vinho na lareira de deixar saudades, além de um visual espetacular!

3. Um refúgio no coração dos Lençóis Maranhenses

Uma casinha regional completamente restaurada, cheia de charme e bossa, a passos do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Perto o suficiente de Santo Amaro para viver um pouco do espírito do vilarejo, mas sem abrir mão da privacidade e do sossego.

4. O som do silêncio no Marrocos

Difícil acreditar que são apenas 35 minutos entre o burburinho de Marrakesh e esse oásis aos pés da Cordilheira do Atlas batizado de Kasbah Bab Ourika. Para lembrar como é ver o sol se pôr dia após dia, colher frutas em um jardim perfumado, ouvir o som do silêncio e contar estrelas até dizer chega.

5. Detox digital no Egito

Em total sintonia com a natureza, o eco-lodge Adrere Amellal, esculpido nas pedras do Oásis de Siwa, no Egito, é um convite para desconectar. Afinal, quem precisa de eletricidade quando se tem o céu estrelado do deserto – e centenas de velas feitas de cera de abelha – guiando o seu caminho?

6. No balanço do mar no Panamá

De onde quer que se olhe, o mar cristalino que banha o Panamá emoldura o cenário do Sweet Bocas, uma villa flutuante perfeita para mergulhar por completo nos pequenos prazeres de verão. Não à toa, o paraíso é um dos favoritos dos surfistas, que sempre descobrem os refúgios mais intocados do planeta antes de todo mundo.

7. Longe de tudo no Canadá

Em uma remota ilha na costa leste do Canadá, o Fogo Inn é o melhor lugar para se sentir absolutamente isolado do mundo, mas conectado com a vida local – 100% da operação é investido na comunidade. Com o barulho do mar como trilha sonora, os dias seguem entre passeios de bicicleta, visita aos ateliês de artistas locais, sessões de cinema, sauna e ofurô.

8. Glamping com bossa sob o céu de Utah

Uma tenda – com piscina aquecida, terraço e fogueira – para chamar de sua, literalmente no meio do nada, entre cânions e formações rochosas do impressionante deserto de Utah. É esse o cenário do Camp Sarika, que faz parte do Amangiri, hotel já consagrado do grupo Aman. Dias de céu azul anil entre sessões de ioga, caminhadas, passeios de canoa e noites mágicas na companhia de estrelas a perder de vista.

9. O som da selva em Botswana

A quilômetros da civilização e debruçadas na vida selvagem, estão as únicas quatro cabanas – além de uma casinha com dois quartos – do Zarafa Camp, localizado em uma reserva privada em Botswana. Entre os pontos altos: acompanhar os elefantes em um passeio pela lagoa de Zibadianja, ter sua própria câmera profissional ao longo de toda a jornada e os jantares à luz de velas na selva.

10. Pausa sagrada na Índia

Impossível não esquecer do mundo lá fora diante do cenário do Shakti 360° Leti: são apenas quatro casinhas com janelões de vidro e vista para um dos picos mais altos do Himalaia, na Índia. Nos hikings por vilas centenárias, nos descansos ao lado da lareira ou nas aulas de culinária, a vontade é a mesma: agradecer, sempre.


Deu vontade de fugir para um refúgio isolado no meio da natureza? Conheça mais sobre esses e outros cantinhos especiais no mundo, além de outros segredos bem guardados da nossa equipe, e comece a sonhar com viagens futuras.

Posted by
27 de março de 2020 0

:: Sem categoria

Sem Título-1

É tempo de parar.
É tempo de olharmos uns pelos outros à distancia.
De fazermos uma pausa. Pelo mundo.
Para depois nos divertirmos novamente.
É tempo de pensar em todos. E não encontrar ninguém.
Tempo de reiniciar. Respeitar.
Parar para depois recomeçar melhor.
Tempo de recalibrarmos o caminho da humanidade.
Fomos feitos para estar juntos. E juntos somos mais fortes.
Mas hoje, separados, estamos mais unidos que nunca.
É tempo de parar.
Natureza, paisagens, praias e monumentos não vão a lugar nenhum.
Vão estar ali, à espera de um momento melhor para serem vividos.
E nós devemos fazer o mesmo por um tempo.
Agora é o momento perfeito para não visitar nada.
Às vezes, para nos levantarmos, precisamos ficar parados.
É tempo de parar.
Parar e pensar em nós mesmos.
Pensar em todos.
De nos reorganizarmos como um todo.
Por todos.
É tempo de entender e respeitar o momento.
Respeitar a todos.
Quanto mais rápido pararmos, mais cedo voltaremos a estar unidos.
Mais do que nunca, é tempo de sonhar.
Com aqueles dias incríveis que virão.

———————————

O texto acima, inspirado no lindo vídeo feito pelo Turismo de Portugal, reflete muito do que temos pensado e vivido nos últimos dias. Tudo tem seu tempo. As paisagens mais intocadas do planeta, os endereços secretos de destinos que são velho conhecidos, refúgios mais surpreendentes que há anos povoam seu imaginário: nenhum deles vai sair do lugar. Seja qual for o seu cenário dos sonhos, ele segue ali, à sua espera. 

Nós na Matueté seguimos em busca de viagens inspiradoras. Trabalhando de nossas casas, mais conectados do que nunca. Sabemos  que dias incríveis virão e, quando isso acontecer, estaremos aqui para conduzir novas jornadas transformadoras.

Um grande abraço,

Anita e Equipe Matueté

——————

Capturar022-01

Posted by
22 de março de 2020 0

:: Acontece por aí | Art & Architecture | Culture & History | Sem categoria

Nos últimos dias, lições importantes de cidadania e solidariedade aparecem para preencher os olhos – e os corações – de quem acredita que o mundo nunca vai deixar de nos surpreender. Dos cursos online que passam a ser gratuitos aos tours virtuais em museus, passando por aulas comunitárias no terraço de prédios comuns: as iniciativas provam que, quando necessário, não precisamos atravessar fronteiras para embarcar em uma viagem memorável. Por aqui, selecionamos dez atrações culturais que estão disponíveis ao alcance de um clique. “Malas” prontas para voar por aí sem sair de casa?

Art Basel, Hong Kong

Matueté_viajar_01

A feira de arte obviamente foi cancelada, mas até o dia 25 de março todas as galerias podem ser visitadas online depois de um rápido cadastro pelo site. As obras, assinadas por artistas do mundo todo com atenção especial aos asiáticos, aparecem com informações detalhadas como tamanho, preço e histórico do artista. Clique aqui e confira.

Museu do Vaticano, Roma

Matueté_viajar_02

A Capela Sistina, os afrescos pintados por Raphael e outras atrações estão disponíveis em visitas virtuais em 360 graus. Clique aqui e confira.

Van Gogh Museum, Amsterdã

Matueté_Viaja03

Além de saber mais sobre o artista, ter acesso às cartas escritas por ele e curiosidades sobre suas obras, o passeio online oferece atividades imperdíveis para as crianças, incluindo uma de colorir. Clique aqui e confira.

British Museum, Londres

Matueté_viajar_04

Tem um dos maiores acervos online – são cerca de 4 milhões de peças catalogadas –, além de tours específicos destinados à coleção de desenhos da instituição. Para inspirar uma viagem futura, nossa dica é a seção que reúne obras da Oceania. Clique aqui e confira.

Metropolitan Opera, Nova York

Matueté_viajar_05

A cada dia, a gravação de uma ópera diferente é disponibilizada – a dica é baixar o app para evitar as “filas” virtuais. Na seleção, composta pelas apresentações mais emblemáticas dos últimos 14 anos da companhia, clássicos como Carmen, La Bohème e La Traviata. Clique aqui e confira.

Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México

Matueté_viajar_06

As 23 salas, repletas de artefatos de antigas civilizações mexicanas, podem ser visitadas do sofá da sua casa. Uma verdadeira aula de história. Clique aqui e confira.

Guggenheim, Nova York

Matueté Viajar

Feche os olhos e imagine subir a famosa escada em espiral do museu nova-iorquino: é exatamente essa a proposta do passeio virtual pelo local. Ao longo do trajeto, você aprende sobre a história e o design do icônico prédio, considerado uma obra prima de Frank Lloyd Wright, e sobre as obras ali presentes. Clique aqui e confira.

Galeria Nacional de Arte, Washington

Matueté_viajar_08

A página permite o passeio por algumas exposições imperdíveis. Entre elas, uma coleção de trabalhos feitos por Degas para a Opéra de Paris, uma retrospectiva da moda americana entre os anos 1740 e 1895 e uma mostra que retrata aquarelas de paisagens europeias ao ar livre. Clique aqui e confira.

Galleria degli Uffizi, Florença

Matueté_viajar_09

A galeria, que fica em um palácio de 1560 construído a pedido da família Medici, reúne algumas das obras mais importantes do Renascimento – todas elas disponíveis em sua página na internet. Clique aqui e confira.

Louvre, Paris

Matueté viaja 10

A grande maioria das salas de exibição e galerias do museu francês oferecem um tour virtual – que tal passear ao lado de relíquias do período faraônico? Clique aqui e confira.

———-

Gostou da imersão cultural? A hashtag #museumfromhome traz novidades como estas. Tudo para que a gente siga viajando. Sempre.

Posted by
13 de fevereiro de 2020 0

:: By Matueté | Produções Matueté | Sem categoria

Matuete_rancking_01

Nada como um novo ano para retomar sua lista de viagens dos sonhos. Páginas em branco de um passaporte, esperando por novos carimbos. Cantos secretos e culturas igualmente encantadoras, prontos para serem descobertos. Para facilitar, convocamos nossa equipe, um time que não cansa de colocar o pé na estrada, para listar destinos que merecem sua visita nos próximos 12 meses. No Brasil ou fora dele, o que importa é embarcar nessa viagem transformadora que é descobrir o mundo.

Malas prontas?

——-

Janeiro

—-

 M A L D I V A S  |  POR RENATA D` ANGELO

Matuete_rancking_24

“Em janeiro, as chuvas são quase inexistentes e o cenário fica ainda mais propício para a vida al mare que o destino pede. E nada melhor do que começar ano em clima de paz absoluta e conexão com a natureza. Imagine acordar em uma vila flutuante e ver tartarugas, arraias e tubarões nadando aos seus pés. Fora que não importa o tempo lá fora: a cor da água é sempre surpreendente e impressiona ainda mais pelo contraste com a areia branquinha.”

Dica: “Um passeio de barco ao pôr do sol, com direito a brinde.”

——-

P A T A G Ô N I A  |  POR KARINA ABREU

Matuete_rancking_25

 

“As temperaturas mais altas, por volta dos 20 graus, são ideais para desbravar as surpreendentes paisagens da região. Vale separar mais tempo para realizar roteiros que combinam El Chaltén e El Calafate, onde fica o Perito Moreno.”

Dica: “A trilha Laguna de los Tres, em El Chaltén. Você sai caminhando da própria cidade, sobe bastante até encontrar uma vista incrível de um lago com picos nevados.”

——-

Fevereiro

—-

A N T Á R T I C A   |  POR BIANCA MAGRI

Matuete_rancking_02

“Nessa época, as temperaturas são mais amenas – ufa! – e a vida animal é muito abundante, como os pinguins recém-nascidos, que parecem de desenho animado.”

Dica: “Como a maioria dos icebergs já derreteram, é possível avistar diversas baleias, que chegam ao destino para se alimentar, pertinho do seu bote Zodiac.”

——

J A M A I C A  |  POR LUIZA DOMBROSKI

Matuete_rancking_03

“Se o seu desejo de viajante pede férias na praia em clima de sossego total, a Jamaica é imperdível. Tem cores e sabores encantadores, além de um povo hospitaleiro que te recebe como ninguém. E essa é a época que menos chove, aproveite.”

Dica:Visitar o Fire Fly, museu do escritor Noel Coward instalado em sua antiga casa de veraneio. Além de conhecer mais sobre sua história, você aproveita uma vista incrível do destino.”

——-

Março

—-

A L P E S    POR GABRIELA FIGUEIREDO

Matuete_rancking_04

“Esquiar na primavera é uma delícia porque os dias são mais longos e ensolarados. Quase sempre você consegue almoçar nos terraços dos restaurantes, às vezes até de camiseta.”

Dica: “A neve fica mais pesada, então escolha estações mais altas pra garantir que as pistas ainda estejam em boas condições nessa época.”

—–

 C A M B O J A  |  POR LARA SARKIS  

Matuete_rancking_05

“Visitar os templos budistas e outras construções históricas esculpidas em meio às florestas, em uma época menos disputada é um privilégio. Soma-se a isso o clima não tão quente e as chuvas mais escassas. Lugares como o complexo de Angkor, por sua riqueza de detalhes, e o templo Banteay Srei, com suas inusitadas pedras rosadas, estão sempre na minha memória.”

Dica: “A saborosa culinária local servida nos mercados da Pub Street, em Siem Reap. O amok, peixe ensopado no leite de coco que lembra um pouco nossa moqueca, é inesquecível.”

——-

Abril

—-

J A P Ã O   |  POR THAÍS YUMI

Matuete_rancking_06

“Acompanhar a euforia com que os japoneses recebem as cerejeiras é encantador. Da decoração das lojas aos sabores de sorvetes, as flores enfeitam – e perfumam –  cidades como Tóquio e Osaka.”

Dica: “As iguarias sazonais que também são comuns nessa época. Troncos de bambu cozidos, docinhos recheados de morango, os mochis, e pequenas enguias batizadas de Ikanagos fazem parte da lista.”

—-

P E R U   |  POR MAGÊ PAGANO

Matuete_rancking_07

“O trem Andean Explorer é um jeito de ver os principais pontos do Peru, incluindo paisagens menos óbvias, de maneira confortável, charmosa e com exclusividade. Você passa por montanhas nevadas, campos meio desérticos, ruínas arqueológicas no meio do nada e pelo lago Titicaca. E, nessa época, as chuvas já cessaram e a chance de dias ininterruptos de céu azul é grande.”

Dica: “O nascer-do-sol imperdível em cada parada e o pisco sour com banana da terra frita servido a partir das 10 da manhã – cheio de energia, é um verdadeiro café da manhã dos campeões.”

——-

Maio

—-

S E I C H E L E S   |  POR MAYRA VITA

Matuete_rancking_08

“Esse paraíso tropical na costa da África é imperdível para quem adora mergulhar ou simplesmente não resiste à uma ilha paradisíaca. E o destino fica especialmente convidativo em maio, quando chove menos e o mar é mais calmo.”

Dica: “A ilha de La Digue, onde só se chega de barco e carros são proibidos. Para conhecer seus cantinhos secretos, escolha entre a bicicleta ou o carrinho de golfe.”

—-

   C Ó R S E G A   |  POR ANITA BESSON

Matuete_rancking_09

“O clima é perfeito para embarcar em uma roadtrip que desbrava o interior da ilha. O contraste entre as praias paradisíacas com algumas reservas naturais incríveis, caso da Scandola, e as montanhas imponentes resulta em um cenário impressionante.”

Dica: O GR20, um dos mais famosos hikings da Europa, com 200 quilômetros que cortam o destino de norte a sul.”

——-

Junho

—-

L E N Ç O I S   M A R A N H E N S E S  |   POR GABRIELA FIGUEIREDO

Matuete_rancking_10

“Além de evitar uma grande concentração de turistas, junho é garantia de um cenário marcado por lagoas cheias, cristalinas e ainda mais deslumbrantes. Também é o mês de festas tipicamente brasileiras no Nordeste, quando as cidades ficam todas enfeitadas.”

Dica: “A festa do boi na praça central de Santo Amaro ou um animado forró nos arredores de Atins, experiências mágicas.”

—–

M E N O R C A  |  POR CAROLINA SLEMER

Matuete_rancking_11

“Menos explorada que as vizinhas Ibiza e Mallorca, Menorca é especial. Mais ainda em junho, principalmente no começo, quando não há trânsito, nem tampouco lotações nas praias ou restaurantes. E os termômetros não atingem os 40 graus.”

Dica“A trilha Camí de Cavalls, que dá a volta na ilha inteira. São 187 quilômetros, mas você pode escolher um trecho para fazer a pé, de bike ou a cavalo.

——-

Julho

—-

A Ç O R E S |  POR MAYRA VITA

Matuete_rancking_12

“As hortênsias a perder de vista e os campos verdinhos deste arquipélago, ideal para famílias que gostam de ecoturismo, ficam ainda mais exuberantes nessa época de pouca chuva. O clima é um convite para aproveitar a vida outdoor que os Açores pedem.”

Dica: “A trilha de mountain bike na lagoa de Sete Cidades seguida de banho de águas termais em Furnas.”

—-

C H A P A D A   D I A M A N T I N A  |  POR PEDRO TREACHER

Matuete_rancking_13

“Um destino incrível para aproveitar as férias escolares, principalmente para famílias com crianças a partir de oito anos, que já aguentam caminhadas mais longas. A programação, que inclui grutas e cachoeiras inesquecíveis, pode ser feita de acordo com a idade do grupo. Além disso, o sol da Bahia segue brilhando lá fora, mas as chuvas são menos frequentes.”

Dica: “A cachoeira do Buracão, uma das mais incríveis do Brasil, que fica no sul da Chapada. No nosso roteiro de uma semana, passamos duas noites em uma cidadezinha rústica nessa região para conhecer esse e outros lugares sem precisar passar muitas horas no carro em um mesmo dia.”

——-

Agosto

—-

 G R O E N L  N D I A   |  POR ANITA BESSON

Matuete_rancking_14

“A época é perfeita para explorar a imensidão branca de gelo que marca essa ilha já que é possível navegar no meio dos icebergs e entrar nos inúmeros fiordes. As focas aparecem toda hora e, com sorte, você ainda será surpreendido por um urso polar.”

Dica: “Os navios de expedição, tendência da vez quando se fala em cruzeiros de luxo. Com adaptações pensadas para enfrentar obstáculos no caminho, eles chegam em lugares bem isolados – na Groenlândia quase não há estradas.”

—-

  P O L I N É S I A  F R A N C E S A  |  POR MAGÊ PAGANO

Matuete_rancking_15

“A época da seca é perfeita para aproveitar essa viagem especial, que tem vegetação impressionante e praias paradisíacas, mas vai além: os nativos, que te recebem muito bem, e a cultura local são grandes atrativos.”

Dica: “As ilhas são muito diferentes, as paisagens mudam, então vale combinar cerca de três delas em um mesmo roteiro. Os vulcões de Bora Bora e as plantações de baunilha de Tahaa, por exemplo. Também indico o passeio para ver baleias jubarte.”

——-

Setembro

—-

S I F N O S   |  POR LUIZA MOREIRA

Matuete_rancking_16

“O fim da alta temporada é sinônimo de restaurantes mais vazios, o que é essencial nesta ilha, conhecida por sua gastronomia excepcional. As praias de água azul turquesa ficam praticamente desertas.”

Dica: “Um passeio de barco ao redor da ilha, parando em tavernas como a Manoli – prove o mastello, cordeiro cozido no forno de barro.”

—-

N O R U E G A  |  POR LUIZA DOMBROSKI

Matuete_rancking_17

“Se as paisagens dos fiordes já são de tirar o fôlego, imagine no outono, quando elas ganham um colorido todo especial com o início das auroras boreais. E há muito menos turistas, vale dizer.”

Dica: “Um passeio de barco no mar aberto com um pescador de king crab para abrir as armadilhas colocadas no mar. O programa termina com um almoço com o catch of the day.”

——-

Outubro

—-

Á F R I C A  DO  S U L  |  POR BOBBY BETENSON

Matuete_rancking_18

“Programa imperdível para aproveitar o break oferecido pela maioria das escolas brasileiras. Afinal, acordar com elefantes no terraço do seu quarto é uma experiência inesquecível para qualquer família. Finalize o programa com alguns dias em Cape Town, que tem cenas gastronômica e cultural pulsantes.”

Dica: “Um passeio de bicicleta, com direito a piquenique e degustação, pelas vinícolas de Stellenbosh ou Franschhoek. A região também tem opções super charmosas de hospedagem.”

—-

F E R N A N D O  DE  N O R O N H A  |  POR PEDRO TREACHER

Matuete_rancking_19

“Outubro é o mês que as águas atingem sua visibilidade máxima – cerca de 50 metros –, ou seja: os mergulhos serão inesquecíveis. E ainda tem sol e quase nenhuma chuva, então dá para combinar bons programas de praia e mergulho.”

Dica: “Conduzida por um guia, a trilha subaquática te leva a lugarzinhos escondidos nas águas de Noronha, sempre acompanhado por muitos peixes.”

——-

Novembro

—-

L Í B A N O  |  POR GABRIELA FIGUEIREDO

Matuete_rancking_20

“É quando o calor dá uma trégua que maravilhas da Antiguidade como as ruínas de Baalbek ficam ainda mais esplendorosas. E vale sair do circuito óbvio para visitar a cidade antiga de Anjar, no Vale do Beqa.”

Dica: “Uma degustação dos centenários vinhos do Chateau Ksara, no Vale Beqa, fundado em 1857 por padres jesuítas.”

  M A R R O C O S  |  POR HELOISA PALMA

Matuete_rancking_21

“O clima, nem tão quente, nem tão frio, torna tudo mais agradável, principalmente as caminhadas por medinas medievais como a de Fez. Ao lado de um guia, você pode se perder por seu emaranhado de ruelas estreitas que mais parecem uma viagem no tempo.”

Dica: “Passar uma noite em um tented camp nas dunas gigantes de Merzouga é especial. Aproveite também para ver como pequenas agriculturas e pecuárias familiares cultivam um rio verde no meio do deserto no vale de Skoura.

——-

Dezembro

—-

R I O  T A P A J Ó S  |  POR  PEDRO TREACHER

Matuete_rancking_22

“Muita gente associa as viagens de verão a destinos de praia, mas poucos sabem que algumas das praias mais exclusivas do Brasil estão na Amazônia. O roteiro pelo Rio Tapajós combina programas para desbravar a floresta com momentos de sossego nas praias. E essa região é uma das únicas em que você consegue, em poucos dias a bordo, explorar diferentes ecossistemas, de águas cristalinas às mais escuras.”

Dica: “Uma ceia de réveillon longe de todo mundo numa praia isolada da Amazônia – trata-se de um dos poucos lugares do Brasil onde consegue garantir faixas de areia só para você.”

—-

I S L Â N D I A  |  POR BIANCA MAGRI

Matuete_rancking_23

“A pitoresca paisagem islandesa fica ainda mais especial no alto inverno. Além da aurora boreal, a época proporciona experiências únicas, como mergulhar de snorkel entre placas tectônicas em uma água de cor singular no Parque Thingvellir.”

Dica: “O voo de helicóptero por cenários espetaculares que pousa, literalmente, na cratera dos vulcões Hekla, Katla e Eyjafjallajökull. Para coroar, tem o impressionante contraste do gelo com uma praia de areia preta.”

———————————————

Inspirado pela nossa seleção? Conte conosco para tornar realidade essas e outras viagens memoráveis em 2020. Viajar é preciso, quem vem?

————————

Posted by
0

:: Sem categoria

A Guatemala é um país incrível, ainda fora do radar das massas, e que oferece um pouco de tudo: cidades coloniais, ruínas Mayas, natureza rica.
No último Réveillon, organizamos por lá um roteiro especial para uma cliente querida.
Ela voltou tão encantada que pedimos que contasse um pouco do que viu e a maravilhou. Delicie-se com o relato abaixo.

Matuete_Guatemala_01

Chegamos em Guatemala City no dia 27 de dezembro e fomos recebidos pela Annie, guia que nos acompanhou quase a viagem toda. É preciso registrar que ela foi mais que uma guia, foi uma amiga que ganhamos para a vida. Realmente, ela é muito especial.

No dia seguinte, partimos rumo ao Lago Atitlán, parando em Iximche, Annie parou em uma cafeteria para termos nossa primeira experiência com o café guatemalteco, que foi repetida muitas vezes depois.

Matuete_Guatemala_02

Aprendemos bastante sobre a técnica do cultivo do café na sombra e os diversos processos de extração da bebida.

Tivemos o primeiro contato com Guatemala City, que nos causou uma ótima impressão.
Curtimos bastante os ônibus locais que são super típicos!

Matuete_Guatemala_04

Iximche foi uma ótima surpresa, porque esperávamos algo pequeno e mais desgastado. 
Na realidade, são ruínas de uma pequena cidade bem conservada.

Lá recebemos as primeiras explicações sobre a civilização Maya e pudemos testemunhar os rituais feitos pelos habitantes locais. Chegamos ao Lago Atitlán no fim do dia e fomos direto para o Hotel Casa Palopó. O hotel é muito charmoso e tem uma vista incrível para o lago. No dia seguinte, partimos de barco rumo aos vilarejos.

Matuete_Guatemala_05

Começamos por San Juan, que é muito típico. Conhecemos a mais tradicional forma de tecelagem do algodão e apreciamos o artesanato local, especialmente as pinturas.
Na sequência fomos para Santiago, onde almoçamos e circulamos de tuk-tuk pelo vilarejo. Fomos conhecer a cultura local, inclusive o famoso Maximon, um “boneco-entidade” muito estranho.

Matuete_Guatemala_06

No dia seguinte, Annie nos levou para Chichicastenango para conhecermos o tão famoso mercado e a igreja onde foram encontrados os manuscritos Mayas traduzidos por um padre católico. Ali imergimos realmente na cultura da Guatemala. 
O mercado é caótico, mas organizado ao mesmo tempo. Uma profusão de cores e pessoas cria uma atmosfera mágica e lindíssima. Realmente, valeu muito a pena ter ido.

Chegamos em Antigua no fim da tarde e ficamos deslumbrados com essa cidade que lembra Paraty, mas é maior e muito bem conservada. A cidade é rodeada pelos vulcões, toda colorida. Não existem prédios, portanto a vista é maravilhosa em qualquer lugar. Há vários pontos turísticos interessantes, como o famoso arco, a catedral (e sua impressionante ruína), conventos, praças, igrejas e o museu do jade.

Matuete_Guatemala_08

No último dia do ano, fizemos o trekking no Vulcão Pacaya, uma experiência fascinante, com direito à marshmallows feitos no calor da Terra. À noite, fomos para a praça principal da cidade onde as pessoas soltavam pequenos balões (globos del deseo) para fazerem pedidos de ano novo. Foi muito interessante testemunhar as tradições locais. Voltamos ao hotel para a ceia e o brinde da meia-noite no rooftop.

o dia seguinte, partimos rumo a Flores. Chegando lá, fomos direto para o Hotel Las Lagunas, que é maravilhoso!
A partir desse momento, a viagem que já estava sensacional superou (e muito) as nossas expectativas. El Mirador era um sonho para mim.

Matuete_Guatemala_09

Eu imaginava que o passeio de helicóptero se limitaria ao sobrevôo de uma pirâmide, mas foi muito mais do que esperava. Pousamos em uma clareira no meio da floresta e, com a companhia de um guia local, passamos 4h30 explorando todo o complexo, testemunhando o trabalho dos arqueólogos e com total exclusividade. Foi realmente uma experiência transformadora, que no dia seguinte se completaria.

No penúltimo dia da viagem, fomos para Tikal. De novo, eu achava que o sítio arqueológico se restringia à praça com as duas pirâmides afinal, essa é a imagem que costuma ser divulgada. Porém, Tikal é uma verdadeira cidade. El Mirador é ainda maior, mas está coberta pela vegetação. Tikal está exposta e pudemos ver todas as ruínas. Ao final do dia, completamos todo o período da civilização Maya: El Mirador (pré-clássico), Tikal (clássico) e Iximche (pós-clássico).Voltamos experts!Matuete_Guatemala_10

O último dia foi reservado para Guatemala City. Confesso que esperávamos uma cidade muito pobre, mas fomos surpreendidos por uma cidade limpa e arborizada, com traços espanhóis mais recentes e um povo bastante hospitaleiro.

Foi muito triste deixar a Guatemala, porque queríamos ficar mais tempo nesse país incrível. Como voltamos do Peru recentemente, a comparação foi inevitável. 
Guatemala é monumental, com ruínas muito mais impactantes. Como downside, podemos citar apenas que a gastronomia não é tão sofisticada quanto a peruana e o artesanato é bem rústico. A tecelagem faz parte da cultura local e vale a pena conhecer os huipil, lindíssimos e super coloridos.Matuete_Guatemala_11

Esperamos que esse relato, honestamente apaixonado, possa convencer as pessoas de que a Guatemala é sensacional e  subestimada. Torcemos para que o país receba mais turistas (e consequentemente mais divisas), mas principalmente que os futuros visitantes respeitem o povo tão hospitaleiro, que está tentando se recompor após a guerra civil que durou anos.

 Matuete_Guatemala_13

Gostou? Adoraremos desenhar um roteiro especial também para você neste pais.
Fale com a gente.

Posted by
0

:: Sem categoria

Nada marca tanto grandes datas e acontecimentos quanto uma viagem.
Foi com o objetivo de criar viagens que são festas e festas que são viagens, que, em 2015, nasceu a Matueté Bossa.
Um núcleo da Matueté com foco em celebrações. Casamentos, aniversários, reuniões de família. Não importa o motivo, nosso trabalho é usar a criatividade para transformar comemorações especiais em momentos que maravilhem.

Vamos criar essas memórias juntos?
Inspire-se abaixo e entre em contato com nosso time pelo e-mail: [email protected]

Matuete_viajarefesta_01

Celebrar com os amigos na Toscana é uma receita que dá certo.
Villas maravilhosas por toda a região, gastronomia única e vinhos excelentes.

Matuete_viajarefesta_02

Cool e mágico.
Praias, beach clubs e barcos incríveis são marcas da Grécia no verão. Garantia de diversão, gastronomia e bons momentos em meio a cenários marcantes.

Matuete_viajarefesta_03

Dias na Amazônia
com amigos para explorar nosso maior tesouro ambiental tão pouco conhecido. Sem mosquitos e com praias incríveis, os jantares sob as estrelas serão inesquecíveis.

Matuete_viajarefesta_04

De almoços petit comité a festanças que vão até o sol raiar, as casas mais bacanas de Trancoso são perfeitas para reunir amigos em dias de celebração.

Matuete_viajarefesta_05

Posted by
3 de setembro de 2019 0

:: Insider | Sem categoria

Cruzeiros de expedição

Foi-se o tempo em que viajar de navio era sinônimo de passar dias ao mar curtindo um serviço primoroso e, nas paradas, fazer passeios breves e pré-determinados em cidades mais turísticas. Quando se fala em cruzeiros de luxo, a ordem da vez são as viagens de expedição.

A ideia é desbravar destinos remotos, mas sem abrir mão do conforto. Não à toa, companhias tradicionais já têm seus roteiros de aventura. Pensadas para grupos menores, são viagens com uma programação flexível, que pode variar de acordo com as condições climáticas ou (boas) surpresas encontradas pelo caminho.

Que tal navegar entre inúmeras morsas em uma praia deserta ou visitar uma ilha de 20 habitantes em que pouquíssimos barcos chegam a cada ano?

Read the rest of this entry »

Posted by