Matueté Blog

Insider

6 de julho de 2012 0

:: (a) Ásia | Insider | Urbano

Potência mundial, a China surpreende os viajantes com seu desenvolvimento tecnológico acelerado e a preservação de suas tradições culturais, além, claro, de espantar pelo número de habitantes – atualmente são mais de 1,3 bilhão de pessoas no país! Para quem quer conhecer essa terra de contrastes e proporções gigantescas, vale seguir as dicas da Magê, integrante da equipe Matueté, para se hospedar com conforto e sofisticação.

MANDARIN DE HONG KONG

Lindo, chique e bacana, o hotel localizado em Hong Kong Island é indicado para famílias e casais e conta com super Spa e ótimo serviço. Além disso, está localizado próximo a lojas mais bacanas. O Hotel conta com vários restaurantes excelentes incluindo o Pierre – cotado com duas estrelas no Guia Michelin.

Dica: Para aproveitar melhor a vista opte por quartos em andares mais altos e com harbour view.

PENINSULA HONG KONG

Considerado “it Hotel” de Hong Kong, o hotel localizado em Kowloon é super tradicional, e todo decorado ao estilo britânico. Com serviço atencioso, boa localização e vistas privilegiadas, é ideal para famílias e viajantes mais tradicionais. Atualmente, o prédio passa por uma reforma para deixar os quartos ainda mais high techs.

Dica: É preciso ter paciência para jantar ou tomar o chá da tarde. O hotel é disputadíssimo, assim como seus serviços e áreas sociais.

RITZ CARLTON HONG KONG

Moderno e chique, o hotel fica a cinco minutos de taxi das principais avenidas e lojas de Kowloon. Com serviço impecável, o prédio conta com piscina indoor e quartos super espaçosos.

Dica: O hotel abriga o bar mais alto do mundo, o animado Ozone, que guarda uma das melhores vistas da cidade. Vale a visita.

PENINSULA SHANGHAI

Na minha opinião, é a melhor opção de hospedagem em Shanghai. Com a recente reforma, os quartos ficaram ainda melhores e mais espaçosos. Indicado para famílias e casais, tanto mais jovens quanto mais velhos. O bom gosto aliado a modernidade agrada a todos os estilos de viajantes.

Posted by
21 de junho de 2012 0

:: (a) Europa | Acontece por aí | Insider

Por indicação do chef Laurent Suaudeau, Bobby Betenson – um dos sócios da Matueté, em sua última temporada parisiense aproveitou para conhecer o Le Bouclard, do chef Michel Bonnemort, e não se arrependeu. “O restaurante é bem pequeno, frequentado principalmente por gente local. A especialidade da casa é o foie gras, e o ambiente é típico de um pequeno bistrô dos anos 40”.

O bistrô, a poucos passos da Place Clichy, em Montmartre, é um daqueles lugares em Paris que poucos turistas têm a vantagem de conhecer.  Na cozinha, Bonnemort – que viveu 25 anos em Nova York -, resgata as receitas de sua bisavó, Rosalie, com toques contemporâneos. O que os americanos chamam de “comfort food”, o chef apelida de “cozinha da avó”, traduzindo uma culinária caseira para o requinte da alta gastronomia.

Como os parisienses já conhecem bem o endereço, Bobby recomenda fazer reserva para não aguardar muito tempo no bar. E na hora de escolher? “O carpaccio de Coquille St. Jacques foi inesquecível”, lembra ele.

Rosalie, bisavó do chef Bonnemort, foi a grande inspiração para o menu do Le Bouclard

Posted by
18 de junho de 2012 0

:: (a) Brasil | Acontece por aí | Insider

Integrante da equipe Matueté, Heloísa de Palma sempre que pode une suas duas paixões: viagem e cultura. Aqui ela conta como foram os três dias de música e mar no Bourbon Festival 2012, em Paraty.

“Paraty é uma cidade que me encanta, e que frequento desde os 13 anos. Afinal, não é qualquer lugar que consegue unir história, lindas praias, gastronomia, cultura e festivais em diversas épocas do ano. Paraty não tem sazonalidade. É uma cidade viva! Minha última passagem por lá foi no início de junho, acompanhando meu marido durante o Bourbon Festival 2012, organizado pelo Bourbon Street Music Club de São Paulo, e nosso dia a dia não poderia ter sido mais perfeito.

Durante o dia alugávamos um barco e visitávamos algumas das mais lindas ilhas e praias da região. Em uma das paradas, conhecemos o restaurante do Hiltinho, na ilha do Algodão. O barco ancora próximo a um pequeno píer e um bote nos leva até a ilha. O visual é incrível, o restaurante, cheio de lounges, é super acolhedor e a comida…deliciosa! Saboreamos postas de robalo acompanhadas de vinho branco.

Com a lua apontando no horizonte, retornamos para terra firme para acompanhar a noite de shows, com destaque para as apresentações de Roy Rogers, Delfeayo Marsalis e Cynthia Girtley. As noites voavam e a cidade, lotada, aproveitava a boa música, dividida em dois palcos. Um, ao lado da Igreja Santa Rita, tinha shows durante a tarde e no começo da noite. O outro, localizado na praça ao lado da Igreja Matriz, sediava as apresentações que aconteciam noite a dentro.

O divertido de Paraty é que, faça chuva, faça sol, seja alta ou baixa a temporada, sempre há uma exposição, um bom restaurante, ateliês e lojinhas para entreter e enriquecer o tempo. Espero voltar em novembro, quando acontecerá o Festival Paraty, também organizado pelo Bourbon Street. Antes disso, teremos a Flip – Festa Literária de Paraty – que também seria outra boa desculpa para visitar a cidade. Quem sabe?

Posted by
15 de junho de 2012 0

:: (a) Europa | Com crianças | Insider

Em sua última viagem a Paris, Bobby Betenson – um dos sócios da Matueté – descobriu com o filho dois programas para as crianças curtirem na cidade. Anote as dicas para aproveitar a capital francesa em família.

Parte Egípcia do Museu do Louvre

Museu geralmente não é o passeio preferido das crianças, principalmente dos pequenos. Mas as múmias e sarcófagos deixam a molecada louca, que acham tudo uma grande brincadeira. Começar pela parte egípcia do Louvre é um jeito lúdico e menos trabalhoso de convencê-los a estender o tempo no museu!

Grand Bassin Rond, no Jardin de Tuileries

Passear pelos Jardins das Tulherias é um programa delicioso, mas um pouco entediante para as crianças. Uma boa ideia é parar na Grand Bassin Rond, alugar um mini-veleiro (custa 2 euros por 30 minutos) e deixá-los brincando enquanto você aproveita o sol e a linda vista dos jardins e edifícios que cercam o lugar.

Posted by
5 de junho de 2012 0

:: (a) Américas | Insider | Urbano

Buenos Aires sabe, como poucas cidades latinas, como revitalizar e valorizar bairros que andavam “por baixo”. Foi assim com Puerto Madero – a região portuária ganhou noves ares a partir da decáda de 1990, considerado um dos projetos mais bem sucedidos do mundo -, com o bairro Palermo – que passou a ser dividido em Soho, Viejo e Hollywood – e agora a bola da vez é San Telmo e seus arredores.

O bairro, que fica ao sul da cidade, era conhecido principalmente pela feira de antiguidades que acontece religiosamente aos domingos. Mas, aos poucos, tem sido reduto de hotéis alternativos e interessantes, além de lojas, antiquários e restaurantes charmosos. Agora, endereços que valem a visita ao bairro também se espalham até a região de Barracas, área que muitas vezes nem aparece nos mapas turísticos.

Lá fica uma das avenidas mais bonitas da cidade, a Caseros, endereço dos executivos ingleses que trabalhavam para as ferrovias argentinas no final do século XIX. O restaurante homônimo, um bistrozinho badalado, serve comida argentina tradicional revisitada – quase que uma metáfora da sua localização.

Posted by
30 de maio de 2012 0

:: (a) Europa | Acontece por aí | Insider | Urbano

Em sua última ida a Paris, Anita Besson visitou o Grand Palais e encheu os olhos com o trabalho do francês Daniel Buren para a Monumenta 2012 – exposição em que anualmente um artista é convidado, e desafiado, a ocupar os 13.500 m² do espaço inaugurado em 1900 na Cidade Luz.

“O bacana dessa montagem da Monumenta é que a obra fica super integrada com o lugar. O artista fez com que a entrada principal da exposição fosse pela porta lateral, para que o elemento surpresa surgisse aos poucos”, conta Anita, que se impressionou com os filtros coloridos usados na obra do artista, conhecido por suas famosas colunas bicolores instaladas no pátio do Palais Royal. “Passear por baixo desses círculos dá a sensação de estar com lentes coloridas nos olhos. Além disso, a cada momento do dia, a luz bate de uma forma diferente e as sombras da cúpula colorida na estrutura do Grand Palais parecem dançar!”

Diferente do conceito apresentado por Buren com a obra  “Excentrique(s), travail in situ”, o indiano naturalizado inglês Anish Kapoor apostou no gigantismo das formas para a Monumenta 2011, instalando uma escultura inflável formada por três esferas conectadas que, unidas a um quarto corpo, criavam uma enorme câmara vermelha. “Na obra de Kapoor você tinha a sensação de entrar no ventre de uma baleia”, comenta Anita, que também visitou a obra de Kapoor no ano passado.

Para quem não viu, e que ver, a Monumenta 2012 ocupa o Grand Palais até 21 de junho.

Posted by
25 de maio de 2012 0

:: (a) Américas | Insider | Urbano

Como o próprio nome já diz, (Broadway significa “caminho amplo” em português), o circuito formado por 43 teatros tem uma imensidão de opções para todos os gostos. São tantas luzes e cartazes que fica difícil saber por onde começar. Integrante da equipe Matueté, Heloísa de Palma é atriz e não perde os espetáculos do circuito teatral mais famosos do mundo. Aqui ela dá dicas dos melhores shows da temporada.

 “Once” – Baseado no filme de mesmo nome, tem clima de um irish pub, com elenco reunido no palco fazendo uma jam session de músicas irlandesas, e o público convidado a se juntar a eles. Além de aproveitar a música ao lado dos atores, há um bar em cima do palco e o mais entusiasmados podem comprar um whisky e entrar ainda mais no clima da peça. A música é contagiante.

A peça se passa em Dublin e conta a história de Guy, um músico que ganha a vida consertando aspiradores de pó, e Girl, que se apaixona pela música de Guy e o incentiva a acreditar em seu talento. As músicas de estilo folk são lindas e maravilhosamente executadas pelo elenco, que, além de cantar, também toca os instrumentos! O musical concorre ao Tony Awards de 2012 em diversas categorias e vale a pena para quem já viu de tudo e busca algo diferente.

 “Death of a Salesman” – O clássico de Arthur Miller conta com a atuação de Phillip Seymor Hoffmann. A peça não tem grandes efeitos especiais, cenários arrojados ou números musicais. Só teatro e atores. E que atores!

 “The Book of Mormon” - Vencedor do Tony de 2011, o espetáculo continua lotando graças ao texto de humor ácido sobre dois missionários que vão à África catequizar um povoado em Uganda. Muito disputada, entra no roteiro apenas daqueles que planejam suas viagens com antecedência.

“Wicked” – Espetáculo para toda a família, conta a história da Bruxa Má do Oeste, personagem de “O Mágico de Oz”. Com boa música, drama, comédia, cenários, figurinos e efeitos, ganhou o Tony 2004.

“Newsies” – Produção da Disney Theactricals, conta a história de entregadores de jornal no início do século XX que sonham em ter uma vida melhor. O roteiro é complementado por incríveis números de dança e cenários a la Disney, que dispensa maiores comentários e, naturalmente, vem empolgando o público.

“Peter and the Starcatchers” - Grande concorrente ao Tony Awards deste ano, o espetáculo – que conta como Peter Pan se recusou a nunca mais crescer – tem linguagem criativa e atores que se dividem em mais de 30 personagens.

“Anything Goes” – Com composições de Cole Porter, o “musicalsão” tradicional conta com números de sapateado e músicas alegres. E, como todo clássico, não perde sua majestade.

“Evita” – A atriz argentina, Elena Roger, convence na interpretação, mas não vocalmente. Para quem não é um grande fã de Ricky Martin, que interpreta Che Guevara, aproveite o seu curto tempo (afinal, em Nova York o tempo sempre é curto) para explorar outras opções da Broadway.

Posted by
5 de maio de 2010 0

:: (a) Ásia | Insider | Natureza

 

Há poucos dias retornei do Bornéu, uma grande ilha do sudeste asiático que engloba a Malásia, a Indonésia e Brunei. Um de seus grandes atrativos é Sipadan, uma ilha de Sabah, na Malásia. Linda e ótima para mergulho, porém bastante visitada, pois há a permissão para 100 mergulhadores fazerem 3 mergulhos por dia. Reservar com antecedência é imprescindível.  A ilha é pequena e tem muita coisinha para ver: vimos frogfish, peixes-crocodilo, peixes-folha, turnpipes, alguns tubarões e muitas tartarugas!

 

 Infelizmente, fora de Sipadan a pesca com dinamite foi cruel e há muito coral morto! Há 3 anos esta prática foi proibida e já começaram a plantar novas colônias de corais, porém estima-se que ainda demore 20 anos para recuperar tudo que foi degradado.
As praias de Sabah são belíssimas, areias branquinhas e águas cristalinas, mas não há opções de hotéis que merecem destaque. O que chamou minha atenção e achei muito bonito foi o passeio à Danum Valley, uma área de preservação enorme onde vimos muitos macacos, como os inteligentes orangotangos! Nesta área, há um exclusivo resort, que oferece pic-nics e jantares à beira da cascata ou do riacho: uma experiência bem romântica para quem é apaixonado pela natureza!

 

Posted by