TAPIOCA
Matueté Blog
22 de setembro de 2016 1

:: (a) Ásia | Israel | Oriente Médio | Urbano

Israel

Israel não estava no topo da minha lista. Um motivo bem pagão me levou para lá: a comida.

Foi comprar o livro “Jerusalem”, do chefe Yotam Ottolenghi, e pronto: não via a hora de desbravar o mercado de Mahane Yehuda, comer um pita fresquinho nas padarias de Jaffa, experimentar todas as variações de falafel e homus, beber suco de romã espremido na hora.

E lá fui eu, em pleno Carnaval conhecer a Terra Santa.

Comecei por Tel Aviv, onde me hospedei no charmoso The Norman. O hotel fica na White City, bairro com a maior concentração de construções no estilo Bauhaus do mundo e tombado pela Unesco em 2003. O The Norman ocupa dois desses prédios e tem um clima delicioso de casa. Depois de uma boa noite de sono, parti para explorar a cidade, mas não sem antes provar o “Israeli Breakfast” que me oferecia o menu do hotel  – ovos mexidos, salada de tomates, minúsculas azeitonas verdes e coalhada seca com záatar. Ali, na primeira manhã, tive certeza de que minha expedição “semi-gastronômica” seria bem-sucedida.

Tel Aviv é bastante plana, e é muito fácil navegar pela cidade. Há sempre a referência da orla, e a prefeitura oferece sistema de bicicletas compartilhadas para quem quiser pedalar, embora do hotel The Norman dê para chegar a quase qualquer lugar a pé.

20160208_10370020160211_132009 Saí em direção ao mar, cruzando o bairro trendy de Neve Tzedek, com suas lojas tão pequenas quanto bacanas, brechós e cafés. Andei por toda a orla, vi a praia, os beach clubs que devem ferver no verão (era fevereiro) e cheguei a Jaffa, a antiga cidade murada, o porto importante da antiguidade e hoje refúgio de artistas locais e de muitos, muitos gatos.

Meu destino em Jaffa era a padaria Abulafia, estabelecimento centenário, que assa na hora burekas e pitas, e tem uma oferta incrível de doces. Os fornos em ação são um espetáculo à parte. De lá, voltei à parte “nova” da cidade, para visitar o Museu de Arte de Tel Aviv, que abriga uma grande coleção de artistas israelenses e judeus dos séculos XIX e XX, além de exposições temporárias, sobretudo de fotografia – estas nos corredores e salões futuristas da nova ala, a Amir Building, com paredes de concreto em ângulos pouco usuais. Pedalei pela White City no finalzinho da tarde, e tomei drinks no animado bar do hotel antes do meu primeiro jantar em Israel. Não me decepcionei com o Mizlala, restaurante de forte apelo mediterrâneo e excelente carta de vinhos das colinas de Golan.

Daria para ter passado muito mais tempo em Tel Aviv, mas eu tinha que continuar viagem. Como o país é pequeno, num único dia (longo e num ritmo acelerado, devo confessar) foi possível percorrer todo o norte de Israel. Em Nazaré, visitei o famoso Santuário e comi os melhores doces de massa phyllo e pistache que já provei. Em Copernaum, tomei o primeiro copo (de muitos) de suco de Romã.  Entre Tabgha, lugar do milagre bíblico da multiplicação dos peixes, e Tiberíades, às margens do Mar da Galileia, numa banca de beira de estrada, provei um falafel frito na hora, temperado com um picante molho de manga trazido a Israel por judeus iraquianos – viciante.

20160210_134436

Comendo e bebendo entre cenários de passagens bíblicas, desci o vale do Rio Jordão (cruzei toda a margem ocidental, a famigerada “West Bank”), vi o deserto virar verde e depois deserto de novo, coloquei a pontinha do dedo no Mar Morto e finalmente cheguei a Jerusalém.

 O dourado do Domo da Rocha brilhava sobre a cidade branca. Foi uma visão inesquecível.

Em Jerusalém dividi minha estadia entre dois hotéis. O primeiro foi o agradável American Colony.    Do lado árabe da cidade, foi originalmente uma “colônia” de evangélicos americanos que imigraram para a Terra Santa no século XIX, e até hoje conserva o clima “Old World” e uma atmosfera misteriosa – o hall e o bar adorável, com alguns tipos indecifráveis, parecem cenário

Dividi meus dias também entre almoços autênticos e jantares incríveis.s de um romance de Carré ou Graham Greene. O outro foi o moderno Mamilla, colado nas muralhas da cidade antiga. Cada um tem seu charme e suas vantagens: o American Colony é o hotel dos expats, dos correspondentes de imprensa internacionais, do bar intimista, dos quartos grandes e old fashioned. O Mamilla é o hot spot da cidade: com sua bela arquitetura que mescla referências locais – como as pedras da fachada – à linguagem contemporânea, fica adjacente a um mini shopping simpático e muito perto do principal portão de Jerusalém, o Jaffa Gate.

Fiz uma caminhada sobre as muralhas, programa quase desprezado pela maioria dos turistas, mas que dá um panorama único de Jerusalém. Desci no Arab Quarter e corri para a casa de homus Abu Shukri. Sem pratos, com talheres de plásticos e guardanapos de papel, comi o melhor falafel e o melhor homus da viagem. Ao lado do Mercado de Mehane Yuda, programa obrigatório, conheci o simplíssimo Rachmo, que serve charutinhos de folha de uva que derretem na boca e sopa de beterraba com bolinhos de carne, outra especialidade dos judeus iraquianos.

Andei pelos jardins do Domo da Rocha, subi o Monte das Oliveiras, fui a Belém. Vi as preces no Muro das Lamentações. Testemunhei as emocionantes celebrações de Bat e Bar Mitzvah no Muro das Lamentações. Percorri a via Dolorosa com um grupo de monges franciscanos que narravam a paixão de Cristo a cada uma das estações. Subi escada, desci escada, me perdi em labirintos.

Cruzam-se bairros e religiões em poucos passos. Assim como se transita entre mediterrâneo e oriente em poucos pratos.

20160211_133121O melhor do Mediterrâneo provei no Chakra, de frente para uma bela praça num bairro novo da cidade. No intimista Mona, bistrô num casarão lindo, vi pratos com uma linha mais europeia, mas com nítida influência do oriente – uma coalhada aqui, um zaatar lá.  Tudo muito delicado. O Lehem Basar (Meat & Eat) é curioso, uma steak house kosher que abre no Shabat, lota de jovens religiosos e ocupa um galpão no complexo First Station, onde funcionava a antiga estação do trem que ligava Jerusalém a Jaffa.

O ponto alto foi o Machneyuda: pratos tradicionais revisitados como o Shikshukit, carne moída de cordeiro com tahini e iogurte ou as lulas com creme de berinjela defumada e harissa, salada fatush como nunca antes vista, tudo numa atmosfera vibrante, cozinha cheia de energia, chefs que brindam com os comensais a cada prato.

Há algo de fresco, de novo, de muito interessante na culinária israelense. “Farm to table” aqui é condição, não atrativo. É como se já tivessem superado todos os modismos, coletado o mais gostoso e o essencial desse privilegiado mix de influências de quem está de frente para o Mediterrâneo e de costas para o Oriente Médio, e produzido algo único.

E, claro, a comida é só um pequeno-essencial motivo para conhecer Israel

20160209_120622

 

 

 

Posted by
6 de junho de 2016 0

:: (a) África | (a) Américas | (a) Ásia | (a) Europa | Acontece por aí | Brazil - Central-west Region | By Matueté | Celebrações | Matueté em Campo | Matueté on the road | Nature | Natureza | Produções Matueté | Sem categoria

Maio foi um mês muito especial na Matueté. Viagens inacreditáveis, novidades saindo do forno, a vida foi animada aqui na rua Tapinás.

Dá uma olhada no que aconteceu, é muito bom dividir com você.

marrocos menor

O mês de maio deu start a uma temporada – até setembro – importante para você que busca se aventurar pelo Marrocos: um roteiro de verão da Maisons de Rèves, conjunto de casas dos sonhos, que podemos até chamar de Oásis.

DSC_3945

 O projeto mais famoso deles é um Kasbah no deserto de Ouarzazate, o Dar Ahlam, mas que fica impraticável no verão marroquino.

Pensando nisso, foi criado um percurso por duas belas casas tradicionais no sul do país, com programas de praia, passeios de bicicleta, contemplação dos campos de argan e da paisagem tranquila.

 DSC_4973

DSC_4641        DSC_4251

 ___________________________________________________________________________

unnamed

A Matueté cada vez mais digital

Esse mês começam os testes de uma nova ferramenta para facilitar a sua viagem. Em parceria com o aplicativo Axus*, você poderá consultar itinerários, reservas, dicas, de qualquer lugar. A primeira viagem com a utilização do Axus acontecerá em breve e voltamos com mais novidades.

___________________________________________________________________________

rev biro tokyo

 

Gabi Figueiredo na Revista do Birô

Para a primeira coluna da nossa Diretora de Viagens, Gabi Figueiredo, o destino escolhido não podia ser mais perfeito: Tokyo. A beleza evidente no caos da cidade é característica marcante e deixa os viajantes com vontade de não voltar.

Leia a coluna na íntegra na Revista do Birô. É só clicar na foto!

 

___________________________________________________________________________

piracaia novo

Maio foi um mês muito especial na área de Villas da Matueté. Destinos para todos os tipos de viagens foram incluídos no nosso portfólio, da represa de Piracaia à Itaipava na serra carioca, casas encantadoras e com diversas atividades se tornam a nossa aposta para as suas férias de inverno desse ano.

kigo

Junto com o lançamento das Casas de Campo, estreamos uma plataforma no lugar do site tradicional da Matueté Villas. O novo site traz informações completas sobre cada destino, facilitando assim a sua busca para o destino perfeito e momentos inesquecíveis em família ou com um grupo de amigos.

___________________________________________________________________________

pantanal

 

Já pensou em passar alguns dias em uma verdadeira fazenda pantaneira, mas com conforto e boa comida?

Durante a temporada de maio a setembro, o Pantanal está em sua melhor época para ser visitado. É quando a água, que antes alagava os campos e pastos, volta para o Rio Negro, as grandes lagoas secam e inicia-se o ciclo da seca. Com isso, toda a enorme variedade de animais do Pantanal se aglomera em torno da água que sobrou. O Vazante do Castelo é um dos maiores – se não o maior – espetáculos de vida selvagem em terras brasileiras.

pantanal

O dia a dia de uma viagem ao Pantanal é dinâmico: safaris, focagem noturna de animais, trilhas na mata, caiaques e, dependendo do lugar, cavalgadas e pescarias. Ao chegar de volta ao lodge, uma boa comida, quartos confortáveis, piscina e uma vista de tirar o fôlego. Não é à toa que o lugar se torna cada vez mais disputado por viajantes de alma aventureira e amantes da natureza de todos cantos do mundo.

Contudo, o Pantanal tem seus segredos, e escolher o lodge certo para cada perfil de viagem é fundamental. As novas acomodações da Caiman – Casa RK e Sede – são a pedida da temporada.

Junto ao Pantanal, é inevitável mencionarmos Bonito, um dos lugares mais lindos do mundo, por que não fazer os dois num roteiro de 8 dias e 7 noites?

308206648_6944052d59[1]  16128188  Departures139

___________________________________________________________________________

bossa

Iniciamos o mês com um foco em Bossa, o que não poderia ser melhor. A preparação de duas lindas celebrações entre amigos na Toscana está a todo vapor, e os detalhes preciosos variam desde a seleção do trio de cordas que acolherá um dos aniversariantes na chegada, à produção do próprio vinho com rótulo da família. Paisagens escolhidas a dedo por onde o grupo passará com suas vespas e logística de todos. Tudo está sendo preparado nos mínimos detalhes para que cada viagem seja produzida com excelência, personalidade e encantamento únicos.

___________________________________________________________________________

Natureza

Uma equipe e a natureza

No corporativo, focamos nossas energias em uma viagem dinâmica de integração, com uma corrida de aventura no meio da mata para os funcionários de uma empresa e suas famílias. Contando com acomodações em um lodge 100% sustentável, a viagem termina com uma festa junina, com direito a quadrilha, fogueira e marshmallows ao cair da tarde.

 

___________________________________________________________________________

highlight

Em maio estruturamos uma das mais incríveis expedições de aventura da Matueté. Uma viagem customizada para estrangeiros pelo Pantanal, Xingu e Rio de Janeiro. Os viajantes acamparam no meio da mata e contaram com paradas estratégicas em instituições como a S.O.S Pantanal, o Projeto Onçafari e a Escola Jatobazinho. Foram feitas doações para cada causa e, nossa equipe, que contou com uma grande campeã de corrida de aventuras, estava sempre um passo à frente para garantir que tudo saísse com perfeição. Foi mais um case de sucesso da Matueté Bossa!

___________________________________________________________________________

Matueté Insider

Destino certo para quem vai para Los Angeles, a cidade costeira de Santa Monica deixa saudade ao lembrarmos do famoso píer com a roda gigante movida a luz solar. Mas o que muitos não sabem é que além de linda, Santa Monica tem o lado artístico rico, e com uma vida social agitada.

Situada num prédio com ares industriais e rústicos, a Bergamot Station é exemplo perfeito do estilo de vida californiano. Um complexo de galerias de arte que recebe até 600.000 pessoas por ano, e que um dia foi uma estação de bonde, ligando o centro de Los Angeles ao Píer de Santa Monica. Foi concebida pelo governo em conjunto com Wayne Black, e hoje em dia é destino certo para os amantes da arte.

___________________________________________________________________________

Bem vindo e Boa Viagem

 

 

Posted by
26 de abril de 2016 0

:: (a) Américas | Adventure | Com crianças | Culture & History | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Natureza

Há 22 anos, conheci minha mulher em uma viagem mochilando pelo Peru. Foi uma viagem mágica, onde fizemos a trilha Inca na ”raça”, carregando tudo que precisávamos para chegar a Machu Picchu.

Print

Muita coisa mudou de lá pra cá e hoje o Peru é talvez o país com a melhor infra-estrutura para o turismo de aventura de luxo da América do Sul.

Resolvi recriar nossa aventura em Janeiro desse ano, dessa vez com nossos filhos de 10 e 14 anos para sua primeira viagem de trekking pelos Andes.

É surpreendente como é fácil a chegada a partir de São Paulo; partimos bem cedo e com uma escala rápida em Lima, conseguimos chegar em Cusco para o almoço.

2        3

Saímos direto em direção ao incrível Vale Sagrado que reúne mais hotéis espetaculares que todos os destinos de natureza do Brasil juntos!

Optamos por ficar no excelente Sol Y Luna, um Relais & Chateaux com vários bangalôs e uma gastronomia especial.

4

De lá saíamos todos os dias para explorar a região…

Ruínas incas espetaculares, o vilarejo de Chinchero, com seus tecidos peruanos de alta qualidade, onde minha filha se encantou com todo o processo artesanal para o tingimento dos fios com produtos naturais, até a tecelagem dos mais incríveis panos.

5         6

Mas o ponto alto mesmo foi a trilha de 2 dias e 1 noite que fizemos, acampando com todo o conforto na cidadela Huchuy Qosco e sem mais ninguém pelo caminho. A trilha é lindíssima e na medida certa para uma menina de 10 anos.

Uma equipe de carregadores e cozinheiros levavam nossos equipamentos, montavam o acampamento e produziam deliciosas refeições.

         7          8

Havia sempre um cavalo a disposição para apoio nos momentos mais desafiantes. Pegamos uma chuva forte no final do dia, mas que foi mais do que recompensado pelo arco-iris mais intenso que já vi ao chegarmos ao nosso acampamento. Inesquecível! 

9

A visita a Macchu Picchu é sempre incrível, uma mistura de encantamento puro com aula de história.O gran finale da viagem foi em Cusco, uma daquelas cidades que toca a todos que têm alma de viajante: arquitetura incrível, bons restaurantes, pequenas vielas para se embrenhar, lojas interessantes e gente do mundo inteiro.

                    Sunset Over Cusco         11

Essa viagem é ideal para famílias que têm pelo menos 6 dias para viajar e gostam de natureza e história.A trilha pelo Andes e nosso acampamento por uma noite, com todo o conforto, foi um daqueles momentos que sei que nossa família vai lembrar para sempre.

12

Se quiser mais dicas sobre como organizar uma viagem do tipo, ideal para as férias do meio do ano, fale com a gente. :)

Martin Frankenberg

*Imagens acervo pessoal Martin Frankenberg
Posted by
29 de março de 2016 0

:: (a) Américas | Acontece por aí | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Natureza

Quem nunca ficou com vontade de conhecer os limites do mundo?

f1

Natália Schwarz, uma de nossas consultoras de viagens internacionais, aproveitou a chance de visitar o novíssimo hotel Arakur e dividiu com a gente suas impressões nos confins da América do Sul.

           f2          f3

Destino com paisagens surreais e inúmeras possibilidades para amantes de aventura e natureza, como trekkings pelo Parque Nacional Tierra del Fuego, navegar no Canal de Beagle, observar a riquíssima fauna e flora da região, visitar os museus e as baixas temperaturas garantem neve durante quase toda a temporada de inverno, sendo um bom destino para os amantes de esqui.

f4

A Natália achou o Arakur o perfeito equilíbrio entre sossego e diversão!

Com somente 1 ano e meio de vida, fica na Reserva Natural Cerro Alarkém, a 250 metros acima do nível do mar, rodeado por deslumbrantes vistas panorâmicas e florestas nativas. Com uma arquitetura baseada em padrões sustentáveis, é todo contruído em cobre e a decoração é feita com materiais naturais, como madeira, pedra, couro e lã (até os carpetes dos corredores que levam aos quartos são de lã natural, sem tingimento artificial).

         f5           Swimming pool area at night, Hotel Arakur Ushuaia Resort and Spa, Ushuaia, Tierra del Fuego, Patagonia, Argentina

E para o feriado de Tiradentes (20 a 24 de abril) o hotel oferece uma programação super especial: o programa inclui 4 noites em apartamento duplo com café da manhã, navegação pelo Canal de Beagle em catamarã privativo, observação de pássaros cormoranes, pinguins-falsos e leões marinhos, tour de carro 4×4 pelo Lago Escondido e uma palestra com ninguém menos que Amyr Klink, relatando suas aventuras mais marcantes por aquelas latitudes.

f7

Imperdível não é mesmo?

Para mais detalhes, fale conosco :)

*Imagens: Arquivo Matueté e cedidas pelo hotel Arakur
Posted by
0

:: (a) Américas | Acontece por aí | Com crianças | Culture & History | Dica do Viajante | Matueté em Campo | Natureza

Bastam alguns dias passeando pelas cidades históricas de Minas para uma verdadeira viagem no tempo…

minas1

A primeira vista, pode não parecer o destino ideal para famílias com crianças (por causa do denso conteúdo cultural), mas desenvolvemos um roteiro especial com foco nas lendas e curiosidades da região do ponto de vista de uma contadora de histórias; uma forma de aprender se divertindo bastante!

Visitar os arredores é essencial para conhecer as exuberantes igrejas barrocas, os museus, os irresistíveis quitutes mineiros e as trilhas que revelam lindas paisagens entre serras e montanhas.

minas2

Belo Horizonte costuma ser o ponto de partida e um dos projetos mais importantes de Oscar Niemeyer, a igreja da Pampulha é um must see da cidade.

Em seguida, uma parada estratégica no Instituto Inhotim considerado o maior museu de arte contemporânea a céu aberto do mundo, com obras de artistas brasileiros consagrados como Tunga, Cildo Meireles, Hélio Oiticica, Amilcar de Castro, Vik Muniz e Adriana Varejão.

       inh3        inh2

Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Ouro Preto guarda um conjunto arquitetônico inigualável e tem como highlights o Museu da Inconfidência e as Igrejas São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Pilar. Uma delícia caminhar pelas ladeiras de pedra do centro e conhecer as construções coloniais, atêlies e feirinhas de artesanato.

min4

Tiradentes revela uma momento diferente do ciclo do ouro e temos um programa imperdível por lá: um concerto privativo de orgão português na Igreja Matriz.

E nada melhor do que aliar à rotina de exploração a bons dias de sossego no campo. A Reserva do Ibitipoca é considerada por muitos a fazenda dos sonhos!

ib3

O tradicional casarão de 1715, sede da Pousada Reserva do Ibitipoca, foi reconstruído em 2006 mantendo suas características originais. Imagine acordar ao som dos pássaros, em um quarto aconchegante, super charmoso e com uma vista incrível do lago ou da Pedra do Gavião – isso sem falar do mais perfeito café da manhã colonial.

ib4

Entre as várias atividades oferecidas estão passeios a cavalo, trilhas entre cachoeiras, grutas e piscinas naturais, yoga, meditação e obras de arte de tirar o fôlego. Uma experiência renovadora e inesquecível.

        ib2           ib1

Se ficou com vontade de garantir dias de contemplação e harmonia em um dos lugares mais acolhedores do país, fale com a gente.  :)

*Imagens: Arquivo Matueté e cedidas pelo Instituto Inhotim e Reserva do Ibitipoca
Posted by