TAPIOCA
Matueté Blog

Archive for abril de 2015

16 de abril de 2015 0

:: Acontece por aí | Adventure | Dica do Viajante

Sabe aquele negócio de lembrar de uma música assim que você pisa em determinado lugar? Então, resolvemos ajudar e preparamos uma listinha só com coisa boa… basta ouvir bastante e esperar que seu cérebro se lembre delas na próxima viagem!

  1. Rio de Janeiro

Samba do avião,  Tom Jobim … curtindo o belo pôr do Sol da Lagoa Rodrigo de Freitas, tomando uma caipirinha exótica no Palaphita Kitch.

2. Paris

Paris Paris, Malcolm McLaren & Catherine Deneuve … tomando um café acompanhado de macarons deliciosos no Cafe Marly,  em frente a cúpula do Louvre.

3. Barcelona

El Viento, Manu Chao … se perdendo pelas ruelas da Ciutat Vella, até alcançar a Calle Joaquin Costa e a Rambla del Raval , redutos de maior miscigenação étnica da cidade.

4. Costa da California

California Soul, Marlena Shaw … dirigindo pela Highway 1  de San Francisco a Los Angeles, com uma parada obrigatória na região do Big Sur  para fotografar as belas paisagens costeiras.

5. Londres

Dog days are over, Florence + The Machine … numa corrida revigorante aos primeiros raios de sol no perímetro do Hyde Park e Kensington Gardens.

6. África do Sul

Pata Pata, Miriam Makeba … preparando se para o lendário bungy jump de 216 metros na maior ponte comercial do mundo, Bloukrans Bridge, próximo a Nature Valley, no extremo sul da África.

7. Reykjavik

Hyper-Ballad, Bjork, … numa exploração cultural ao Museu de Arte de Reykjavik , que ocupa três espaços diferentes na cidade, com exposições pra lá de vanguardistas e o maior acervo de arte visual da Islândia.

8. Costa Amalfitana

Nel Blu Di Pinto Di Blu (Volare), Domenico Modugno , passeando pelos jardins da  pitoresca Villa San Michele , em Anacapri. Bucólica atmosfera italiana com vistas de tirar o fôlego.

9. Trancoso

Meia Lua Inteira, Caetano Veloso … relaxando na piscina da Villa n4 em Trancoso, com toda a paz que só a Bahia pode oferecer.

10. Havana

Chan Chan, Buena Vista Social Club … tomando o famoso Daiquiri do El Floridita. Suficiente para entender porquê esse lugar é um dos tesouros mais preciosos de Havana e tinha ninguém menos que Ernest Hemingway como principal entusiasta.

11. Miami

Miami, Will Smith … vislumbrando cores e formas no Miami Art Discrict.

 

 

Posted by
13 de abril de 2015 0

:: Art & Architecture | By Matueté | Celebrações | Com crianças | Nature

Piscina é sempre uma delícia. Para nadar, se exercitar, boiar ou simplesmente desejar estar numa delas agoraNão foi fácil, mas fizemos esta seleção de apenas 6 piscinas surreais do nosso portfolio de Villas e já começamos a sonhar com uma braçada aqui, outra ali…

Trancoso Villa 16

                      Mais sobre a casa: - Villa 16: Trancoso BA -

- – - – - – -

Buzios Villa 4

                              Mais sobre a casa:   - Villa 04: Búzios RJ -

- – - – - – -

Trancoso Villa 5 v2

 Mais sobre a casa:  - Villa 05: Trancoso BA -

- – - – - – -

Trancoso Villa 24 v2

 Mais sobre a casa:   - Villa 24: Trancoso BA -

- – - – - – -

Angra Villa 3

 Mais sobre a casa:    - Villa 03: Angra dos Reis RJ -

- – - – - – -

Trancoso Villa 21 v2

  Mais sobre a casa:  - Villa 21: Trancoso BA -

Posted by
8 de abril de 2015 0

:: (a) Américas | Adventure | Insider | Natureza

Está precisando reativar seu lado desbravador e passar mais tempo em contato com a natureza? Apostamos que sim!

Desde a semana passada, quando o pessoal do Cristalino Lodge esteve em nosso escritório para nos ajudar a reciclar o que sabemos sobre este santuário natural, não conseguimos pensar em outra coisa.

Por localizar-se bem ao sul da Amazônia brasileira, esta parte da floresta já tem um pezinho no Pantanal, e o resultado disso é fantástico: toda abundância da selva, com muito mais chances de avistamento de animais! São mais de 11.000 hectares de reserva e um ecossistema rico e equilibrado praticamente o ano todo.

Aerial view

Canopy tower from above II

É uma região bastante remota, então o acesso parece complicado, mas não é. Basta voar para Alta Floresta (MT) e, ao chegar, um curto traslado de carro seguido de 30 minutos de passeio de barco pelo rio Cristalino, te transportam até lá.

boat trip at cristalino river          CL-Floating deck II-Luis Gomes

Vale contar: o Lodge foi apontado pela National Geographic Traveler como um dos 25 melhores Eco Lodges do mundo, e sabemos os motivos: guias especialistas, que dão muito mais sentido a interação com a natureza; arquitetura marcante, sofisticada e que encanta os olhos; e um serviço impecável.

bar and bonfire

Tirando o fato que a completa imersão num dos lugares naturais mais lindos do planeta ganha de qualquer outra questão, o ponto alto desta experiência está nas acomodações: extremamente aconchegantes, cheias de regalias e que ainda permitem relaxar em uma banheira, tendo como cenário a floresta amazônica e um imenso céu estrelado. 

Special bungalow entrance          Bathtub at private garden IV

Há tanto o que fazer por lá, que não vale ficar poucas noites! Espere preencher os dias com diversos tipos e níveis de trilhas, canoagem e observação de aves, macacos, plantas e até mesmo eventuais grandes mamíferos.

Blue-and-Gold Macaw

Que tal apreciar o nascer do sol do alto de uma torre de 50 metros? Explorar a biodiversidade, abraçar uma castanheira ancestral e terminar o dia com muito papo em volta da fogueira? Ou, apenas relaxar no deck flutuante, entre um mergulho e outro no rio Cristalino?

Tufted capuchin           133234211431212_960_544_s_c1

Se precisa de mais inspiração, converse conosco e não deixe de passear um pouco pelo nosso site!

Posted by
2 de abril de 2015 0

:: (a) África | Dica do Viajante | Matueté em Campo

Susanna é uma das sócias da Matueté e viaja em busca de experiências capazes de nos transformar. Dê uma olhada em seu relato emocionante pela Etiópia e inspire-se também para suas próximas aventuras…

Foto 0

 

Foto 1

Olá,

No começo do ano passado passei por uma das mais transformadoras experiências de viagem de toda minha vida. Por 10 dias vivi na Etiópia momentos intensos, por vezes chocantes, mas todos incríveis. E, mesmo já passado algum tempo, ainda não me contenho em contar sobre esta viagem onde quer que eu vá!

Foto 2

Em janeiro de 2014, me juntei à três amigas e partimos à este país africano de 95 milhões de habitantes, iniciando nosso roteiro em Lalibela, no norte. Um lugar marcante, com uma coleção de igrejas monolíticas protegidas pela Unesco, esculpidas em rochas e visitadas a partir de uma árida trilha pelas montanhas. Lindo!

Foto 3- uma das igrejas monolíticas de Lalibela, durante o Timkat Festival (comemoração do batizado de Cristo) -

De lá, seguimos para Omo Valley, já no sul, onde aconteceu nossa vivência com as tribos e diferentes etnias. Tendo como base o Lumale Camp, na beira do Rio Omo, tínhamos acesso a um conforto inesperado, já que dormíamos em tendas com ótimas camas, lençóis novinhos, tínhamos chuveiro (tudo bem que o modelo era pouco convencional!) e a comida estava sempre uma delícia. Dali, saíamos em jipe ou barco por longos percursos até alcançarmos as muitas tribos da região, todas de tamanhos, hábitos, costumes e línguas diferentes, mas convivendo em aparente paz. 

Foto 4 - Lumale Camp -

Foto 5- meu nada convencional chuveiro! -

Apenas para ter uma ideia da diversidade, os Karo, tribo do nosso querido guia e motorista Lalo, se pintam de barro branco e enfeitam os cabelos com barro vermelho; os Bennas usam colares nas cores azul e branco e cortes de cabelo inusitados; os Hamar usam anéis pesados na garganta e nos pés, além de um cabelo mais comprido e protegido por henna e óleo. As mulheres da tribo Mursi usam pratos no lábio e na orelha como símbolo de beleza. E todas elas fazem scarification, uma tatuagem corporal impressionante. Foi uma delícia fotografar esta variedade cultural colorida! Porém, analisando com mais cuidado e tentando entender os costumes e estilos de vida destes povos, algumas dúvidas surgiram.

Foto 6- um dos habitantes da tribo Karo -

Foto 7- scarification em garotas da tribo Nyangatom -

 O afastamento da civilização por tanto tempo manteve as tribos no vale do Rio Omo numa vida pré-histórica. São pastores e fazendeiros, criam boi, cabra e ovelha e plantam sorgo, cevada, milho e legumes na beira fértil do rio. São bastante saudáveis, mas moram em ocas pequenas, simples, sujas e no meio do deserto. Usam ferramentas precárias do tempo dos dinossauros, feito por eles mesmos, e suas roupas são de pele de caça. Não há carros, a não ser dos raríssimos turistas, não há escolas e muito menos hospitais. Quase nada do nosso mundo civilizado. Mas impressionantes mesmo são os rituais de mutilação, como os lábios e orelhas alargados, tatuagens pelo corpo (com carvão esfregado em cortes geometricamente alinhados) e cicatrizes que são prova de heroísmo dos homens e de beleza nas mulheres. Confesso que foi difícil dormir depois de presenciar alguns destes, e ainda me pergunto como estes povos conseguiram permanecer tanto tempo afastados da civilização, a ponto de sua existência estar ameaçada em função de qualquer mudança ou intervenção do mundo moderno.

Foto 8 - rituais de mutilação das garotas de Mursi-

A verdade é que esta viagem para a Etiópia me deixou com mais pontos de interrogação do que respostas. E minhas crenças sobre direitos humanos receberam uma bela sacudida! Como querer proteger as mulheres, quando a cultura as ensina que apanhar é sinal de força e devoção? Como proteger as crianças, se há uma lei aleatória que as classifica como mingis e algumas precisam ser sacrificadas? O turismo tem criado uma nova fonte de renda para esse povo. Pela falta de infraestrutura e pela longa e difícil viagem, são poucos os que se aventuram até o Rio Omo, 50 km da fronteira com Sudão do Sul. Mas com o dinheiro, pago pelas fotos que tiramos ou pela participação em rituais culturais, são comprado baldes, dotes (cada mulher custa 127 cabras!), animais e também armas.

Foto 10 - nosso querido guia Lale com a sua mãe -

Mas não será, provavelmente, a partir do turismo que estas tribos irão conservar-se saudáveis e íntegras, em meio à tantas transformações e até guerras ao redor. Acredito que, principalmente, a educação amenizaria os efeitos chocantes do atraso. Nosso guia Lale é um bom exemplo disso: depois de nascer na tribo Karo, uma missionária o adotou quando criança e o educou. Ele é a primeira pessoa da tribo a terminar uma educação formal, usar um telefone celular, responder e-mails em inglês e dirigir automóveis. E, o mais importante: hoje se vê como defensor do seu povo e tribos ao redor, disseminando seu orgulho e mostrando um pouco de sua cultura à intrépidos viajantes como eu!

Espero que tenha gostado do relato e que ele ajude a inspirar viagens incríveis como esta!
Um grande abraço,
769
Posted by